Índice Omie de Desempenho Econômico das PMEs - Você sabe o que é?

Entenda mais sobre o Índice Omie de Desempenho Econômico das PMEs, o mais completo e inovador indicador voltado para os grandes setores do mercado!

03/02/2022

“Em um cenário onde as PMEs representam 30% do PIB nacional e mais da metade do total de empregos formais, é de extrema importância acompanhar o desempenho econômico dessas empresas”, afirma Marcelo Lombardo, cofundador e CEO da Omie, e um dos idealizadores do Índice Omie de Desempenho Econômico das PMEs, desenvolvido para ser o primeiro e mais completo indicador de abrangência nacional, trazendo mais entendimento e transparência para o setor empresarial brasileiro de pequeno e médio porte. 


Criado com o objetivo de acompanhar e analisar o desempenho econômico das pequenas e médias empresas, o IODE-PMEs analisou o rendimento médio mensal de mais de 87 mil PMEs brasileiras, sendo assim, funcionando também como uma espécie de termômetro econômico das companhias com renda de até R$ 50 milhões anuais. 


A nova fonte de dados criada pela Omie vai oferecer regularmente análises completas, segmentadas e estratégicas de dados gerais dos grandes setores em que as PMEs estão concentradas: Agropecuária, Comércio, Indústria, Infraestrutura e Serviços. 


Com todas as informações disponíveis no Índice Omie de Desempenho Econômico das PMEs será possível avaliar de uma maneira melhor e mais assertiva o planejamento e esforço de operações, para traçar novos planos de negócios ou então, melhorar processos já existentes. 


Fatores que influenciaram o desempenho econômico das pequenas e médias empresas em 2021


Em um período com diversas interferências externas, novos desafios comerciais e a mudança brusca no cenário de consumo, é possível levantar alguns fatores que influenciaram o desempenho econômico dessas empresas no ano de 2021.


Para a análise do IODE-PMEs, a Omie analisou os dados e chegou a algumas conclusões sobre quais foram esses fatores de influência, são eles: 


  • Avanço da vacinação contra a covid-19 no Brasil e, consequentemente, a reabertura da economia, mesmo que de forma parcial fez com que as PMEs presentes nos setores de Comércio e Serviço expandissem em cerca de 11,7% e 13,5%, respectivamente; 


  • Mesmo que as atividades econômicas tenham ganhado um alívio durante o segundo semestre de 2021, o ano foi extremamente desafiador e com isso os setores de Agropecuária e Indústria tiveram um desempenho muito abaixo do esperado;


  • Embora os efeitos da pandemia sobre a economia brasileira e mundial sejam duradouros, as projeções do IODE-PMEs destacam que pode haver um avanço de cerca de 1,2% em 2022, principalmente para o setor de Serviço e Agropecuária.

Segmentos com melhor desempenho em 2021


2021 foi um ano muito desafiador para toda e qualquer atividade econômica. Como destacado no tópico anterior, embora o segundo semestre tenha oferecido um certo alívio para alguns setores de mercado, nem todos se beneficiaram. 


Foi o caso dos setores de Indústria e Agropecuária, que tiveram seus resultados restringidos e mantiveram praticamente a mesma movimentação financeira do ano de 2020, mas com uma queda de -0,1%. De forma geral, o ano de 2021 das PMEs desses dois setores foi cercado por um desempenho baixo no primeiro trimestre e uma recuperação gradual nos outros trimestres. 


O avanço da vacinação contra a covid-19 teve um papel importante na retomada das atividades econômicas ao longo de todo o segundo semestre de 2021. O setor que mais ganhou com isso foi o de Comércio, assim como o setor de Serviço, que são os que concentram as maiores quantidades de PMEs ativas do Brasil.


Figura 1: IODE-PMEs

(Variação anual – YoY %)

Fonte: IODE-PMEs (Omie)


O Índice ainda permite que se consiga identificar o desempenho das pequenas e médias empresas por regiões do país, de maneira segmentada. Com isso, é possível destacar algumas informações: 



  • Em 2021 as pequenas e médias empresas sofreram com um desempenho abaixo do esperado. Entre elas estão as localizadas nas regiões Sudeste (0,1%) e Nordeste (-2,9%). Fora isso, a movimentação financeira das PMEs teve um bom avanço, principalmente nas regiões Sul (+4,0%), Centro-Oeste (+2,6%) e Norte (+1,8%);


Figura 2: IODE-PMEs – desempenho regional em 2021 

(Variação anual – YoY %)

Fonte: IODE-PMEs (Omie)


  • Ao total, o baixo desempenho da Agropecuária registrado foi de -10,7% em vista de 2020, já o da Indústria foi de -5,9% e o menor foi o da Infraestrutura com um desempenho de -0,3%;


  • Em contrapartida, o setor de Comércio e Serviço apresentou crescimento bem expressivo,com aumento de 11,7% e 13,5%, respectivamente.



Figura 3: IODE-PMEs – desempenho setorial em 2021 

(Variação anual – YoY %)

Fonte: IODE-PMEs (Omie)


Atividades que mais contribuíram para os resultados observados em 2021


Ainda segundo o IODE-PMEs, foi possível levantar dados ainda mais completos das análises segmentadas por regiões, destacados abaixo:


  • No setor de Comércio, o principal responsável pela movimentação das pequenas e médias empresas foi o varejo, com um aumento de 16,8%;


  • No setor de Serviço se destacam as atividades imobiliárias com +54,3% em vista de 2020; serviços de transporte, armazenagem e correio com +22,6% e as atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados com +21,8%.


  • Já no setor Industrial, o destaque vai para a indústria extrativa, que obteve um aumento de 16,7% em vista de 2020. Em contrapartida, a indústria de transformação sofreu uma queda de 6,2%, consequentemente retraindo todo o setor; 


  • Em Infraestrutura, mesmo com um fraco desempenho das PMEs pertencentes à categoria de ‘Água, Esgoto, Atividades de gestão de resíduos e descontaminação’, foi percebido o crescimento do serviço de ‘Construção’ com um aumento de 5,7% em vista de 2020. 


Nos resultados trimestrais de 2021, o Índice Omie de Desempenho Econômico das PMEs percebeu o avanço de 1,2% em comparação aos resultados obtidos na análise trimestral de 2020. Tudo isso graças ao bom desempenho dos setores que obtiveram sucesso mesmo com os desafios causados pela pandemia. 


Projeções e perspectivas do IODE-PMEs para 2022


Mesmo com efeitos mais longos da pandemia sobre a economia, as projeções do Índice Omie de Desempenho Econômico das PMEs indicam um avanço de 1,2% para 2022. 


Segundo Felipe Beraldi, especialista de Indicadores e Assuntos Econômicos aqui na Omie, a retomada gradual traz uma nova percepção a essas pequenas e médias empresas  “O cenário tem como base a perspectiva de continuidade da retomada que vem sendo observada no mercado de trabalho, viabilizada pela reabertura da economia com o avanço da vacinação contra a covid-19 no país, além da projeção de maior controle da inflação frente ao observado no ano anterior”.


De maneira geral, a perspectiva é de que aconteça uma retomada na demanda por serviços

e a continuidade no crescimento do setor de Comércio - mesmo que em menor força. É importante ainda mencionar o setor de agropecuária, que também possui boas perspectivas. 


Vale destacar que o novo aumento da taxa Selic pelo Banco Central tem pode reduzir os resultados positivos que são esperados pelas atividades das PMEs ao longo de 2022, principalmente por encarecer o crédito e, também, prejudicar de alguma forma os investimentos na economia de modo geral. 


Outro ponto que precisa ser trazido para discussão e que impacta diretamente a projeção de desempenho é a falta de programas de suporte para os microempreendedores e empresas de pequeno porte, que são as maiores forças da economia no Brasil, principalmente em um momento em que os juros estão elevados e o país ainda está se recuperando de outras crises. 


Sendo assim, é importante destacar e incentivar cada vez mais o desempenho das PMEs nos debates em relação aos programas de renegociação de dívidas de empresas do Simples Nacional, assim como medidas de incentivo ao crédito. 


Ao analisar perspectivas e considerar fatores influenciáveis, a projeção para o ano de 2022 aponta um cenário mais pessimista para o desempenho geral das pequenas e médias empresas. 


De modo geral, o ano pode ser marcado por novas ondas da pandemia, incertezas relacionadas a eleição presidencial, como destaca Felipe: “Momentos de grandes incertezas na política costumam ser marcados por paralisações de investimentos e perda de ímpeto do consumo, o que pode afetar negativamente o desempenho econômico das PMEs brasileiras”. 


Entenda o Índice Omie de Desempenho Econômico das PMEs (IODE-PMEs)


Para a criação do IODE-PMEs a Omie analisou dados anônimos referentes às movimentações financeiras de contas a receber de mais de 87 mil pessoas, entre elas 622 CNAEs de 1.332 subclasses existentes.


Em todas as análises foram considerados os filtros de representatividade estatística e os dados são analisados com base em aberturas do Índice Geral de Preços-Mercado da FGV que tiveram seus valores reduzidos por conta da inflação. 


Para observar a evolução de todas essas movimentações financeiras em termos reais, foi usado como base o índice válido no último mês em que foram realizadas as análises. O objetivo foi limpar o efeito unicamente inflacionário na série atemporal.  

Não deixe de acessar a página especial sobre o IODE-PMEs para ficar por dentro de todas as informações, além de conferir o e-book com toda a metodologia do estudo: https://www.omie.com.br/indice-economico/

Sobre a OMIE


Fundada por Marcelo Lombardo e Rafael Olmos no ano de 2013, a Omie é a maior  plataforma de gestão na nuvem do Brasil.


Uma scale-up que tem como  objetivo e propósito levar aos negócios - independente de qual seja - prosperidade, para isso desenvolveram um sistema de gestão completamente inovador. São três pilares os fundamentais e que regem a cultura da empresa: 


  • Gestão por meio do software
  • Educação, por meio da Omie Academy - que oferece gratuitamente capacitação profissional para os empreendedores;
  • Finanças, que oferece uma série de acessos e facilidades como linha de crédito, conta digital nativa do sistema e apoio de gestão, por meio de parcerias com o banco Itaú, por exemplo.


Outro destaque importante é a possibilidade de se tornar um Franqueado Omie, rede que cresce a cada ano e está entre as 100 que mais crescem no Brasil! 


Procurando maneiras de crescer e escalar o seu negócio? A Omie tem a solução e os recursos certos para sua empresa, pensados especialmente para atender as necessidades de acordo com o tamanho do seu negócio!


Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

No items found.

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas