Reparo de produtos no Bloco K

Na dinâmica da confecção do Bloco K, empresas poderão se deparar com situações em que um produto precise voltar à linha de montagem

13/05/2019
Contabilidade

Parece muito incomum, mas muitas vezes uma empresa tem a necessidade de retornar uma ordem de produção à linha de montagem. Se esta já estiver apontada nos registros K230 e K235, muitos empreendedores ficam com dúvidas de como informar isso no Bloco K.

Considerando que provavelmente este retorno à linha trará um novo consumo de materiais, esta operação deve sim ser mencionada no Bloco K, especificamente nos registros K260 e K265.

Vejamos abaixo o conteúdo destes dois registros.

Registro K260: reprocessamento/reparo de produto/insumo

O registro K260 é denominado como Reprocessamento/reparo de produto/insumo, e apresenta os produtos que saíram do estoque, já foram apontados no K230, ainda estão no período de apuração, e serão reprocessados.

Este registro tem o objetivo de informar o produto que foi reprocessado e o insumo que foi reparado no período de apuração, onde o produto reprocessado permanece com o mesmo código do produto a ser reprocessado no próprio estabelecimento do informante.

O reprocesso a ser escriturado no Registro K260 será aquele onde a quantidade produzida do produto a ser reprocessado já tiver sido apontada no Registro K230 (entrada em estoque) e cujo código do produto reprocessado permaneça o mesmo do produto a ser reprocessado.

Registro K265: reprocessamento/reparo – mercadorias consumidas e/ou retornadas

O registro K265, denominado Reprocessamento/reparo – Mercadorias consumidas e(ou) retornadas, tem o objetivo de informar o consumo de mercadoria e/ou o retorno de mercadoria ao estoque, ocorridos no reprocessamento de produto informado no Registro K260.

No K265, ao se apresentar os produtos que foram consumidos no período de apuração, no reprocessamento do produto informado no K260, deverá ser indicado no registro o código do insumo consumido, a quantidade consumida e a quantidade que retornou ao estoque.

Preparando o sistema interno e a equipe

Estes dois registros do Bloco K mostram a importância crescente de ter um sistema interno de gestão que esteja de acordo com o layout estabelecido na legislação do SPED Fiscal, para possibilitar o recebimento das informações com este nível de detalhamento.

Além de um sistema que permita tal gestão, a equipe de funcionários encarregados de movimentar os materiais de produção e fazer os registros destas operações deve também estar totalmente alinhada às regras do SPED Fiscal.

Há que se ter um rigoroso controle do fluxo de documentos e materiais para que os registros sejam devidamente apontados para a posterior geração do Bloco K. Como tenho dito em muitos dos meus textos nesta coluna: um bom sistema e treinamento são essenciais.

Prof. Antonio Sérgio

Antonio Sérgio de Oliveira é palestrante, professor e autor de diversos livros (e-Social, SPED, Bloco K, Substituição Tributária), com mais de 25 anos de experiência no segmento tributário e fiscal.

Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas