Como abrir um CNPJ? Aprenda em 5 passos

Neste artigo você entenderá as 5 etapas necessárias para encaminhar a sua solicitação de CNPJ à Receita Federal.

07/Abr/2022
Empreendedorismo

Nos últimos anos, o Brasil bateu recorde de novas empresas abertas. Muitas pessoas têm visto no empreendedorismo uma forma de se sustentar ou mudar de carreira e este crescimento tende a ser ainda maior nos próximos anos. No entanto, com a possibilidade de se formalizar, o empreendedor iniciante pode encontrar dúvidas de como começar sua jornada, e questões sobre como abrir um CNPJ costuma ser a principal delas.

 

Sigla de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, o CNPJ é um registro obrigatório para quase todas as empresas do território brasileiro visando organizar, identificar e prestar contas à Receita Federal. 

A consulta de CNPJ também é uma prática comum entre os empresários, seja para saber se uma empresa está ativa ou para conferir seus dados cadastrais. Nessa série de números existem informações importantes de uma organização, como seu nome, endereço, dados para contato, além de sua razão social e nome fantasia. 

Pensando em auxiliar o empreendedor iniciante a conquistar este registro tão importante, neste artigo, desenvolvemos 5 passos de como abrir um CNPJ, que ajudará a dar o primeiro passo para construir uma grande empresa. Veja a seguir!

5 passos para abrir um CNPJ

1. Contrate um contador

‍Emitido pela Receita Federal, o CNPJ é um importante registro que ajuda na emissão de notas fiscais, elaboração de contratos sociais e regularização de uma empresa. Por isso, na hora de entender como abrir CNPJ, vale contar com a ajuda de um especialista.

Qualquer erro de digitação ou incoerência dos dados pode levar à invalidação do documento. Sendo assim, é importante o acompanhamento de um contador para fazer a conferência das informações na hora de abrir um CNPJ.

2. Defina o formato da sua empresa

Você sabe em qual tipo de empresa o seu negócio se enquadra? Quais são as regras para ser realizada essa classificação? Para te ajudar a entender melhor, nós listamos abaixo as modalidades empresariais existentes. Veja.

  • MEI (Microempreendedor) - Para ser enquadrada nesse tipo de empresa, a organização precisa ter o faturamento máximo de R$ 81 mil e com o limite de um funcionário:

  • ME (Microempresa) - O faturamento máximo desse formato é R$ 360 mil, tendo o limite de 19 empregados se a atividade for industrial e 9 para o setor de comércio e serviço;

  • EPP (Empresa de Pequeno Porte) - Aqui o faturamento anual bruto deve ficar entre R$ 360 mil e R$ 4,8 milhões, com o número de colaboradores entre 20 e 99 no setor industrial e de 10 a 49 no ramo de comércio e serviços;

  • Grande empresa - Nessa modalidade as empresas possuem o faturamento acima R$12 milhões, com o quadro de colaboradores a partir de 100 para o setor industrial e acima de 500 para o comércio.

3. Identifique a natureza jurídica

Já ouviu falar na natureza jurídica de uma organização? Ela é definida como o tratamento legal de uma empresa, ou seja, assim que você escolhe essa denominação está estabelecendo a legislação tributária, a quantia financeira necessária para começar o negócio, além do número máximo de sócios.

Existem diversas classificações, sendo a mais simples a de Microempreendedor Individual. Ela permite que a abertura do CNPJ seja rápida e sem grandes burocracias, embora não envolva a inclusão de sócios. Confira a seguir outras naturezas jurídicas.

  • EI (Empresário Individual) - Esse tipo de classificação também não permite a inclusão de sócios, tendo capital social — dinheiro para abrir um negócio — no valor de R$ 1 mil;

  • EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada) - Também sem sócios, essa empresa possui um capital social alto, que corresponde a 100 salários mínimos;

  • S/A (Sociedade Anônima) - Aqui não existem sócios, mas acionistas que podem comprar e vender ações dessa organização livremente,

  • LTDA (Sociedade Simples Limitada) - É uma companhia prestadora de serviços formada por dois ou mais sócios do mesmo setor. No entanto, ao contrário das outras modalidades, há uma separação de bens entre o que é do empresário e da empresa.

4. Localize o código CNAE

Por último, para formalizar o negócio, é válido considerar o código CNAE. Ele é formado por uma série de números organizados pelo governo, que indicam o regime tributário, obrigações legais e limitações do ramo de atuação.

O CNAE - sigla para Classificação Nacional de Atividade Econômicas, deve ser escolhido assim que a empresa for aberta. No entanto, esse código pode ser alterado e uma organização pode ter mais de uma correspondência.

 

5. Organize os documentos essenciais

Agora que você já tem as denominações legais do seu negócio decididas, o próximo passo é separar todos os documentos para abrir CNPJ na Receita Federal. Entre eles estão:

  • RG e CPF;
  • Comprovante de endereço com até três meses de validade;
  • Certidão de casamento, caso algum dos envolvidos seja casado;
  • Cópia do IPTU do imóvel usado pela empresa ou documento com a inscrição municipal da propriedade.

Vale lembrar que os documentos de todos os sócios devem estar presentes na hora de encaminhar os papéis para a Receita, evitando qualquer atraso na aprovação do pedido.

Cuidados ao abrir CNPJ

Todo o tempo é crucial na hora de abrir uma empresa, por isso é importante não desperdiçá-lo em nenhuma etapa, e conhecer exatamente as etapas de como abrir um CNPJ. Em geral, cada estado determina os seus prazos, e em alguns lugares esse processo tende a demandar mais tempo.

É muito importante buscar a ajuda de especialistas contábeis ou de um departamento de contabilidade, pois quanto mais atenção aos detalhes, menores as chances de atrasar a aprovação da solicitação.

Lembre-se, após estar com o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica em atividade,  é preciso fazer declarações e manter o regularizado perante a Receita Federal para não ter problemas com a justiça.

Papel de um software de gestão no empreendedorismo

Não há dúvidas que estar em dia com as documentações da sua empresa é imprescindível para o sucesso, mas como você já sabe, uma empresa para crescer precisa, além de uma boa equipe e uma boa gestão, ela precisará de um bom amparo tecnológico. 

Como falamos ao decorrer do texto, todo cuidado é pouco para evitar problemas futuros na sua empresa. Então, por que não usar uma ferramenta de gestão ERP, que organiza e otimiza os processos financeiros e operacionais? 

Conheça no blog Omie o nosso artigo “Por que um software de gestão é essencial no empreendedorismo” e entenda o papel desse recurso dentro do mundo empresarial.


Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas