Diagrama de Ishikawa: o que é e como funciona?

Conheça e saiba como fazer o diagrama de Ishikawa, um grande aliado das PMEs e da gestão de processos.
Navegação Rápida
Navegação Rápida

O diagrama de Ishikawa é um dos grandes aliados das pequenas e médias empresas. A ferramenta é muito prática e ajuda a identificar as diferentes causas de um problema. Utilizá-lo em sua empresa vai te ajudar a otimizar e gerenciar corretamente os seus processos.

Se tem problemas em sua empresa e não sabe como resolvê-los, então, aprender como utilizar o diagrama de Ishikawa é fundamental. Com ele, você tem uma análise profunda das possíveis causas dos problemas e consegue planejar ações mais assertivas para solucioná-los.

Isso acaba melhorando significativamente os processos e a gestão da sua empresa. Quer entender mais sobre como funciona o Ishikawa e como montar um? Continue acompanhando este conteúdo!

O que é Diagrama de Ishikawa?

Diagrama espinha de peixe, diagrama causa e efeito, árvore de causas espinha de peixe, diagrama dos 6m Ishikawa e, até mesmo PDCA espinha de peixe, todos eles são a mesma coisa: o diagrama de Ishikawa.

Criado por Kaoru Ishikawa, ainda na década de 60, o diagrama se destacou como uma ferramenta essencial de gestão empresarial, podendo ser aplicada em diversas áreas e segmentos.

A metodologia considera que todo problema tem uma causa específica e, mais do que isso, para identificá-la corretamente e propor soluções é preciso analisar detalhadamente todas as possíveis causas.

Assim, ao identificar o problema, o empreendedor acaba eliminando-o. Ou seja, o diagrama ajuda a identificar as causas-raízes de um determinado problema, analisando todos os aspectos que fazem parte do seu processo de execução.

Vantagens do diagrama de Ishikawa

Como se trata de uma ferramenta tão essencial para a gestão, o diagrama de Ishikawa oferece diversas vantagens. Confira abaixo quais são elas:

  • Oferece visão mais abrangente sobre os problemas;
  • Ajuda a analisar e identificar as possíveis causas, possibilitando ações mais assertivas;
  • É intuitivo e de fácil entendimento;
  • Ajuda a aperfeiçoar os processos de melhoria;
  • Ajuda a prevenir novos problemas;
  • Facilita a priorização de demandas;
  • Facilita a organização e controle

Como funciona o Diagrama de Ishikawa?

O diagrama de Ishikawa realiza uma análise detalhada de todas as etapas que envolvem um processo. Mas, para isso acontecer, é necessário considerar alguns pontos relacionados à execução desse processo.

Com isso, fica mais simples determinar o que houve e qual a melhor maneira de resolver ou antecipar determinado ponto de crise. Confira como montar Ishikawa.

Identifique os problemas e riscos

O primeiro passo para montar seu diagrama é identificar todos os problemas e riscos que podem acontecer em sua empresa. Escolha algo específico e que possa, de preferência, ser mensurável, como falta de matéria-prima.

Escolhido o problema, desenhe uma seta e escreva de forma assertiva. Mas, atenção. É importante que seja desenhado um diagrama de espinha de peixe para cada problema identificado. Caso contrário, será difícil identificar a real causa do problema.

Identifique as causas dos problemas

Determinado o problema a ser analisado, é o momento de identificar as possíveis causas. Para identificá-las, é necessário considerar os 6ms. Abaixo, descrevemos quais são eles:

  • Método: como a execução do processo influencia ou influenciará no problema?
  • Máquina: como as máquinas, aparelhos e equipamentos podem influenciar no problema? Coisas como falta de manutenção, revisão ou cuidado, são exemplos.
  • Medida: como as métricas que fazem parte do desenvolvimento do processo podem influenciar o problema? Aqui entram também os indicadores de desempenho.
  • Meio Ambiente: como o local em que o processo é realizado influencia o problema? Temperaturas muito altas, falta de infraestrutura, espaço pequeno, mal iluminado, são exemplos de causas relacionadas ao ambiente de uma empresa.
  • Material: como a qualidade, quantidade e tipo de material pode influenciar no problema? Aqui vale detalhar as matérias-primas utilizadas, por exemplo. 
  • Mão de Obra: como as pessoas que estão envolvidas no processo de execução podem influenciar o problema?

Cada um desses ‘ms’ são uma espinha do diagrama, ligadas à seta principal. Essas são perguntas básicas da matriz Ishikawa, que devem ser respondidas com atenção e quando bem detalhadas, contribuem de forma significativa para a resolução ou antecipação do problema.

Nesse ponto, você pode perguntar para as pessoas envolvidas no processo o que elas acreditam que possa ter interferido, durante a execução, de modo a ter uma visão ainda mais ampla das causas que levaram a situação em questão.

Analise as causas raízes

Depois de montado o diagrama da espinha de peixe, chegou a hora de analisar de forma aprofundada quais as causas-raízes do problema. As ferramentas de gestão para pequenas empresas, como o diagrama de Ishikawa, ajudam muito nesse momento.

Com todas as possíveis interferências e causas identificadas, fica mais fácil olhar com atenção para cada uma delas e ver quais realmente podem ter se tornado um problema e como resolvê-las.

Assim, você consegue tomar decisões mais assertivas e estratégicas com base em uma informação concreta. Com isso, a resolução acaba se tornando mais otimizada e os processos mais produtivos.

Exemplos do diagrama de Ishikawa 

Na prática, um diagrama de Ishikawa deve abranger todas as causas que levam um problema a acontecer. Facilitando a análise e entendimento do que poderia ter sido feito para evitá-lo.

Por isso, quanto mais completo e detalhado forem as informações, melhor. É claro, que existem problemas que não contam com todos os ‘ms’. Mas, ainda assim, devem ser colocados no diagrama.

Um bom exemplo de Ishikawa é sobre o atraso na linha de produção de determinado produto. Considere as seguintes possíveis causas:

  • Equipamentos antigos, novos processos, falta de matéria-prima que não pode ser substituída e atraso dos colaboradores.

Nesse caso, foi identificado que o problema-raiz são os equipamentos antigos que estavam atrapalhando e atrasando as entregas. A solução foi comprar novas máquinas para substituir as que não estavam funcionando.

Outro bom exemplo do diagrama de Ishikawa seria a demora no atendimento ao cliente. Durante a análise do diagrama, a empresa identificou duas causas principais:

  • aparelhos lentos e falta de engajamento do time.

A solução foi investir em treinamento da equipe, criar ações que os mantivessem motivados e, claro, atualizar os aparelhos.

Além desses exemplos, existem muitos modelos prontos e disponíveis na internet que podem te ajudar e servir como base para fazer o seu primeiro diagrama de Ishikawa.

Gestão e processos mais otimizados

Como você viu até aqui, o diagrama de Ishikawa é um grande aliado das pequenas e médias empresas, com a capacidade de facilitar a otimização de gestão de processos e reduzindo as chances de novos problemas e riscos.

Agora que você já sabe o que é o diagrama de Ishikawa e seu papel na otimização de processos, que tal conhecer outra solução que vai ajudar a sua empresa a elevar os resultados e aumentar a produtividade?

Com o software da Omie você conquista a gestão e processos mais otimizados, agregando cada vez mais qualidade e valor a sua empresa. Invista em tecnologia e comece a transformar seu dia a dia hoje mesmo! Mantenha-se atualizado.

62a1f7437a5e6b5e2f216d35 CTA Banner Empreendedor 2 opt2 v2 98
Compartilhe este post
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Conteúdos relacionados
Saiba o que é e entenda como funciona o Prazo Médio de Recebimento (PMR) e como calcular o da sua
DACTE
Entenda o que é DACTE e garanta legalidade e transparência nas operações de transporte de forma simplificada com este guia!
on-premise
Sistema on-premise vs. nuvem: compreenda diferenças e funcionamento.