Gerenciamento de riscos: como lidar com as incertezas?

Dicas de como identificar, planejar e prevenir situações de risco para sua empresa.

23/Abr/2020
Gestão

Sabemos que uma empresa enfrenta, diariamente, riscos internos e externos e que a maioria das decisões do negócio são feitas, muitas vezes, sobre condições de insegurança devido à instabilidade dos cenários.

Atualmente enfrentamos uma crise global por conta do coronavírus e muitas empresas estão sofrendo as consequências desse afastamento social e do lockdown do comércio.

No começo do ano este era um cenário inimaginável, até mesmo para as apostas econômicas mais pessimistas. Portanto, como os empresários, donos dos seus próprios negócios, poderiam se antever a esta crise?

É responsabilidade de cada empreendedor, com base na sua experiência e com o apoio de técnicas de gerenciamento, se antecipar aos possíveis obstáculos e desenhar estratégias de modo a diminuir os efeitos adversos dos riscos e antecipar sua demanda sob um conjunto de forças incontroláveis e competitivas.

Minimizar um risco ou uma incerteza pode levar, até as maiores e mais preparadas empresas a cometerem o erro de identificar ameaças potenciais, ao mesmo modo que superestimá-las poderá desencorajar qualquer ação que vá ao encontro de enfrentar o desconhecido.

Por isso que, mais do que um desafio, é imprescindível que as incertezas de um negócio sejam minuciosamente avaliadas, sem diminuir ou aumentar a possibilidade dos riscos. Os cenários econômicos, políticos, mercadológicos e sociais devem ser estrategicamente estudados, pois empresas que se destacam no mundo corporativo são aquelas que sabem gerenciar o inesperado.  

Em um mundo cada vez mais instável, as incertezas podem gerar riscos tanto quanto oportunidades. Neste sentido, estar com o plano de gerenciamento preparado permite ao administrador tratar cada situação individualmente e maximizar as oportunidades do seu negócio.

Com a gestão de riscos é possível que uma empresa calcule os eventos que a ameaçam, possibilitando a avaliação de um cenário macro e a implantação de planos de ação que permitam a reversão da situação imediatamente. Também vale ressaltar que a empresa que faz o controle de risco do seu negócio possui muito mais credibilidade e seguridade perante clientes e parceiros.

 

Mas, afinal, o que é gerenciamento de riscos e por que é importante fazê-lo?

É um conjunto de atividades e processos que tem o objetivo de identificar, gerenciar e controlar eventos considerados como potenciais ameaças e/ou oportunidades e que podem afetar diretamente a empresa.

O principal objetivo do gerenciamento de riscos é manter a organização dentro do seu plano estratégico inicial, estimulando um comportamento dinâmico para que as ações sejam tomadas de imediato conforme as alterações de cenário.

O plano de riscos deve estar sempre alinhado ao planejamento macro da empresa. De acordo com a norma da ABNT NBR ISO 31000:2009, quando implementada e mantida de acordo, a gestão dos riscos possibilita a uma organização, por exemplo:

- Aumentar a probabilidade de atingir os objetivos;

- Encorajar uma gestão proativa;

- Estar atento para a necessidade de identificar e tratar os riscos através de toda a organização;

- Melhorar a identificação de oportunidades e ameaças;

- Atender às normas internacionais e requisitos legais e regulatórios pertinentes;

- Melhorar o reporte das informações financeiras e a governança

- Estabelecer uma base confiável para a tomada de decisão e o planejamento;

- Melhorar os controles, a eficiência operacional e a aprendizagem

- Alocar e utilizar eficazmente os recursos para o tratamento de riscos;

- Melhorar o desempenho em saúde e segurança, bem como a proteção do meio ambiente;

- Melhorar a prevenção de perdas e a gestão de incidentes e a

- Minimizar perdas;

- Aumentar a resiliência da organização.

Desta forma, podemos dizer que o gerenciamento de crises nada mais é do que um conjunto de ações no qual o objetivo final é sempre a melhoria constante dos processos da empresa.

 

Como podemos identificar e classificar os riscos?

São diversas as situações em que o gerenciamento de riscos pode ser aplicado, mas para que as ações sejam direcionadas e o resultado delas seja positivo, classificamos os eventos (acontecimentos não previstos) em dois cenários: interno e externo, no qual o interno está relacionado ao quadro de colaboradores, processos, tecnologia e os externos representam a concorrência, governo, desastres socioambientais e principalmente à pandemia que estamos vivendo. Alguns exemplos podem estar diretamente relacionados a:

Riscos Internos

- Governança, estrutura organizacional, funções e responsabilidades;

- Políticas, objetivos e estratégias implementadas para atingi-los;

- Capacidades compreendidas em termos de recursos e conhecimento (por exemplo, capital, tempo, pessoas, processos, sistemas e tecnologias);

- Sistemas de informação, fluxos de informação e processos de tomada de decisão (tanto formais como informais);

- Relações com partes interessadas internas, e suas percepções e valores;

- Cultura da organização;

- Normas, diretrizes e modelos adotados pela organização; 

- Norma e extensão das relações contratuais.

Riscos Externos

- Ambiente cultural;

- Social;

- Político;

- Regulatório;

- Financeiro;

- Tecnológico;

- Econômico;

- Natural e competitivo;

- Fatores e tendências que tenham impacto direto nos objetivos da organização; 

- Visões externas de partes interessadas no negócio e suas percepções e valores.

 

Quais são as etapas fundamentais para a gestão de riscos?

Para estabelecer uma política eficiente de gerenciamento de riscos, não basta apenas identificar os cenários, é preciso se preocupar e seguir algumas etapas, para que o planejamento seja o mais eficaz possível. Abaixo citamos 5 etapas importantes neste processo:

1. Identificação

Descubra, reconheça e descreva todos os eventos que podem afetar sua empresa e impedir seu planejamento estratégico de dar certo. Lembre-se que toda sua equipe pode participar deste momento e compartilhar aprendizados. Com isso você também consegue promover a comunicação interna e engajar todo o seu time em benefício da empresa.

2. Análise

Após identificado, determine qual a probabilidade de acontecer e qual o impacto que ele pode gerar. Este momento é importante para decidir qual trabalho será priorizado e para onde o foco será direcionado.

3. Divisão, avaliação e classificação

Aqui é importante que você faça uma combinação entre probabilidade e consequência. Selecione as categorias de risco e separe entre áreas de impacto. Categorize os riscos em ordem de relevância, como: baixo, moderado, elevado e extremo e qual a chance que eles podem acontecer: alta, média, baixa, rara.

4. Tratamento

Avalie o risco e defina um plano de contingência. Crie estratégias e desenhe uma saída preventiva.

5. Monitoramento

Faça o monitoramento e análise do risco. Verifique se as ações do plano estão sob controle e se ele realmente está sendo eficaz. Aqui é o momento importante para fazer análise de indicadores, saber se as metas foram atingidas, se as atividades foram colocadas em prática e quais foram os desafios e pontos positivos e negativos do planejamento.

Sabemos que em um mundo tão dinâmico, os riscos e as incertezas são fatores concretos no dia a dia do empreendedor e que em uma disputa de mercado ganham aqueles que são mais flexíveis e que estão prevenidos a esses desvios de caminho, isto é, o que te fará sobressair em meio à concorrência é como você se prepara para administrar todas as situações adversas e como em um momento de decisão, age com agilidade e segurança.  

Lembramos que não existe um manual de como prevenir que sua empresa sofra danos irreparáveis devido aos riscos existentes, mas o que sabemos é que com a implementação de um sistema de gestão, em parceria com um planejamento estratégico bem desenhado, sua vulnerabilidade perante o mercado se torna muito menor.

Nós, da Omie, trabalhamos incansavelmente para te ajudar nessa jornada contra as incertezas do dia a dia. Você, empreendedor, já conhece o nosso sistema de gestão na nuvem? Com ele você tem a visão estratégica das suas finanças, consegue fazer monitoramento de vendas, organiza os serviços, compras, estoque e produção e ainda tem total integração com seu contador. Experimente grátis.

 

#juntos pela economia do Brasil. 


Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas