Minha empresa quebrou: o que devo fazer?

Minha empresa quebrou! Se essa é a sua realidade, é necessário conhecer as providências a tomar, além de como fazer para declarar a falência.

28/Jul/2022
Omie Academy

A frase que, infelizmente, tornou-se comum nos tempos de crise e pós-pandemia: “minha empresa quebrou”, assombra desde pequenos a grandes empresários, com negócios físicos ou estruturados virtualmente. 

É fato que, sem a orientação adequada para executar os procedimentos necessários diante dessa situação, tudo fica mais complicado. Porém, ainda que a sensação seja de desespero, existem alguns caminhos possíveis para se acalmar e retomar as atividades.

Se você deseja saber o que fazer nessa situação, acompanhe este conteúdo até o final e veja as nossas dicas, inclusive, de como evitar a falência de seu negócio. Boa leitura!

Como a declaração de falência funciona?

A solução de declarar falência ocorre quando uma empresa não tem saldo suficiente para pagar seus colaboradores, fornecedores, financiamentos, empréstimos e seus credores. Além disso, a empresa não deve contar com outros meios para saldar essas dívidas. 

Nesse caso, o Decreto de Falência poderá ser solicitado pelas seguintes pessoas:

  • pelo proprietário da empresa;
  • por seus sócios;
  • por seus credores;
  • pelo cônjuge ou herdeiros, em caso de falecimento do dono da empresa, conforme a Lei da Falência,11101 de 2005.

Após dar entrada à solicitação, o juiz responsável verificará toda a procedência e analisará se cabe ou não o pedido. 

Assim, ao declarar a falência, todos os bens da empresa deverão entrar em uso judicial para a quitação total das dívidas, sendo estes, vendidos. Mas lembramos que a falência atinge tão somente o patrimônio comercial da empresa, ou seja, os bens individuais de cada sócio, logo, os do proprietário não são contabilizados.

Ademais, com a falência decretada, ocorrerá a suspensão de todas as demandas da empresa, antecipando os vencimentos das dívidas a serem abatidas com juros proporcionais.

A quem se aplica?

A declaração de falência pode enquadrar desde o empresário até a sociedade empresária, caso seja devedora. Desse modo, para entender melhor, citamos:

  • Sociedade empresária: empresa fundada com mais de um sócio, sendo: Sociedade Limitada, Sociedade Ilimitada; Sociedade Simples; Sociedade Anônima e Sociedade em Conta participação;
  • Empresário: pessoa que exerce atividade econômica, formalmente registrada, podendo encaixar os modelos MEI e EIRELI.

Minha empresa quebrou: o que fazer? 

Todo esse processo pode parecer um tanto difícil de ser entendido e seguido, mas com a devida orientação, a dor de cabeça será menor. Trata-se de uma situação que assombra muitos empresários por diversos fatores. 

Contudo, saiba que é possível retomar o controle da situação, superando-a e agindo com coerência. Confira a seguir como proceder se a sua empresa falir.

Saiba seus direitos

Se a sua empresa faliu, há um enorme risco de perder o seu CNPJ. Nesse contexto, existe a possibilidade de pedido de ação para conseguir um prazo máximo de dois anos para entrar com processo de recuperação judicial e sua aplicação solicitada. 

Mas vale lembrar que, em nosso país, esse processo é demorado e burocrático quanto a penalizações ao empresário. Então, prepare-se bem para as despesas que serão envolvidas. E caso esse período de dois anos não seja o suficiente, o proprietário poderá, ainda, solicitar acordo de falência à justiça.

Identifique o que resultou na falência 

É fato que existem alguns motivos um tanto comuns, como falta de administração financeira do negócio, seja pelo proprietário ou por seus sócios, que ocorre ao não separar a conta pessoal da jurídica, ocasionando rombos de caixa. 

Outra situação que ocorre é a sonegação de impostos, já que a multa aplicada como penalização chega até a 150% do valor devido pelo empresário responsável à frente do negócio.

Ainda, podemos citar as constantes crises econômicas que nosso país enfrenta e, infelizmente, a situação pandêmica quebrou muitas empresas, seja por terem que fechar as portas de um dia para outro ou pelo despreparo fiscal e contábil em que se encontravam muitos donos.

As crises financeiras atingem a todos e, claro, aos consumidores também, fazendo com que o consumo de diversos itens seja reduzido ou, dependendo do item e serviço, excluído.

Desse modo, é de extrema importância que o real motivo seja identificado entre o proprietário e seus sócios para que optem pela melhor solução e não voltem a repetir a situação em que se encontram, posteriormente.

Tome ciência do tamanho da dívida

Aqui, temos um ponto relevante: deve-se saber exatamente o valor da dívida. Assim, com as contas feitas acerca da quantidade de credores, moras diárias, juros contabilizados e outros pontos, conte com um profissional contábil que será capaz de auxiliar nas decisões fiscais e legais para que você: 

  • Renegocie as dívidas: entre em contato com todos os seus credores e tente negociar novas datas, novos valores, enfim, faça a sua melhor proposta para saldar cada dívida;
  • Pague os funcionários: conforme determina a Justiça do Trabalho, ocorrendo a falência da empresa, os funcionários devem ser priorizados quanto ao pagamento. Aqui, aplica-se a regra de demissão sem justa causa, por isso, o funcionário registrado tem direito ao saque integral do FGTS e à multa de 40% que deve ser paga pelo empregador;
  • Pague os fornecedores: nesse caso, vale tentar uma negociação quanto aos prazos e condições para a quitação das dívidas aos fornecedores.

Retome o controle financeiro

Outra dica imprescindível é controlar o seu financeiro por completo, ou seja, tudo o que entra e sai de dinheiro deve ser registrado e acompanhado, para evitar perder o controle novamente. 

Aqui, vale a ressalva de não misturar as contas pessoais com as jurídicas. Lembre-se de sempre se manter organizado nesse quesito. Para isso, uma planilha ou um sistema de controle financeiro online pode ajudar. Veja como começar:

  • Registre todo o dinheiro que entrar e de todas as fontes;
  • Faça o mesmo com o dinheiro que sai;
  • Separe as despesas por partes: fixas, variáveis e básicas. 

Dica: vale a pena separar algumas despesas que você considera que devem ser revistas e fazer uma análise de redução.

Dicas para evitar a falência

Para evitar a falência, é preciso disciplina e organização. Mesmo que nenhum empreendedor esteja a salvo desse mal, seguir alguns passos pode ajudar a afastar o desânimo da situação e injetar energia para virar esse jogo. 

Isso porque, se você estiver disposto, levará alguns meses até tirar sua empresa do vermelho, mas valerá a pena o esforço. Então, para ajudar você, elaboramos algumas dicas. Confira!

Mantenha a calma

Se você está estagnado no “quebrei minha empresa!”, primeiramente: mantenha-se calmo, mesmo que pareça estar em um beco sem saída. Há saída, sim. Mas é necessário não perder a esperança para não perder, também, o foco, que é solucionar o problema e sair do vermelho. 

Respire fundo. Toda e qualquer empresa corre este risco. O momento agora é de identificar o problema, arregaçar as mangas, superar e aprender com o que houve.

Faça o planejamento financeiro 

A melhor saída é sempre um planejamento financeiro, um grande aliado para o controle financeiro diário. Além disso, evitar desequilíbrios em seu caixa e capital, além de possíveis prejuízos, nesse momento, tudo o que você menos precisa é de maiores perdas, não é mesmo? Então, veja o que sugerimos:

  • reveja todas as suas contas: internet, telefonia, bônus de participação, comissões, horas extras, energia, manutenção com equipamentos etc.;
  • corte o que definir como gasto desnecessário para o momento, ao menos;
  • reúna-se com seus sócios e funcionários e exponha a situação atual, assim como todos os cortes de excessos que serão realizados. Informe sobre todos os passos que serão dados com clareza e firmeza, mas, claro, siga a Lei Trabalhista corretamente para não se arriscar em possíveis processos;
  • deixe claro que assim que a empresa sair do vermelho, a situação e os bônus voltarão ao normal; 
  • tenha ciência do que está fazendo com que seu dinheiro se vá;
  • negocie as dívidas com bancos e financeiras.

Venda alguns bens da empresa

Sim, é uma solução a se pensar, pois se sua empresa tiver posse de bens subutilizados que são tidos como patrimônio empresarial, por exemplo, computadores, maquinários, carros, um terreno, é possível vendê-los para que gere dinheiro. Assim, além de fazer a roda da economia girar, ainda arrecada dinheiro para essa situação emergencial.

Faça uma consultoria especializada 

Muitos profissionais de contabilidade, fiscal e auditoria podem contribuir nessa situação. Por isso, vale a pena pensar em contratar uma consultoria especializada para obter a orientação correta e um passo a passo personalizado de acordo com sua situação financeira e administrativa. Nesse caso, nada melhor que tratar direto com quem poderá auxiliar. Esse passo economiza tempo e energia.

Prepare-se para o que vier

Sempre citamos o planejamento e, agora, certamente você já percebeu a sua importância. Estar atento ao seu fluxo de caixa e movimentações financeiras evita que você caia no vermelho novamente. Então, faça tudo dentro das leis e seja correto em suas ações, assim, a recuperação de sua empresa será menos sofrida e a negociação com seus credores será mais fácil.

E para manter-se atualizado sobre que decisões tomar acerca da sua empresa e patrimônio comercial, é uma boa estudar sobre educação e gestão financeira. Por isso, sugerimos nosso Curso: Quebrei e Agora?, um curso dinâmico e de fácil linguagem para ajudar você em momentos desafiadores dessa jornada que é empreender. Esperamos por você.

Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas