Novo eSocial simplificado 2020: O que vem por aí?

Diversas mudanças estão previstas para o novo eSocial simplificado 2020. Conheça as mudanças nas obrigações, regularize a sua empresa e fuja dos imprevistos!

29/11/2019
Contabilidade

O que é eSocial?

Basicamente, o eSocial é um sistema usado pelo governo para receber  informações das áreas trabalhista e previdenciária das empresas. Vários dados são enviados por esse arquivo digital, especialmente sobre admissão, demissão, rescisão contratual, afastamentos, folha de pagamentos, dados de segurança e medicina do trabalho. O SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) é a matriz que concentra e integra essas informações.      

Leia mais: Como gerar o arquivo do SPED contribuições de um jeito simples?

Umas das particularidades do eSocial é o fato de que muitas destas informações devem ser enviadas quase que em tempo real, o que oferece ao governo maior precisão na análise e fiscalização nos dados de empresas. O programa tem como objetivo simplificar e desburocratizar o envio das informações referentes à todas as obrigações trabalhistas e fiscais ao Governo Federal por parte das empresas e, de certa forma, forçar os estabelecimentos a cumprirem as regras legais perante seus colaboradores.

De acordo com o calendário em vigor, as empresas enquadradas no lucro real e no lucro presumido já estão enviando o eSocial. Já para as empresas enquadradas no Simples Nacional e entidades sem fins lucrativos, a previsão é para janeiro de 2020.

Novo eSocial 2020: o que muda?

O momento atual é de expectativa, pois diversas mudanças estão sendo anunciadas para esta obrigação.

Conforme a MP 881, chamada de MP da Liberdade Econômica, deverá haver modificações no layout (modelo) do eSocial. O texto desta medida, em sua versão inicial (antes da votação na Câmara dos Deputados), chegou a abordar a extinção da obrigação.

Entretanto, a versão aprovada e transformada em lei teve alguns ajustes e transformou a atual plataforma em dois sistemas, o que não quer dizer que o eSocial será mais complexo, muito menos extinto. Será um sistema para Receita Federal e outro para Trabalho e Previdência, resultando em um eSocial mais simplificado, com uma média de 40% a 50% de informações a menos sendo exigida.

Quais são as obrigações e mudanças do novo eSocial simplificado?

No dia 08 de agosto foi divulgada uma nota conjunta assinada pelos Secretário Especial de Previdência e Trabalho, Secretário Especial da Receita Federal do Brasil e Secretário Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, na qual foram anunciadas algumas medidas e as ações futuras para este programa.

Abaixo, um resumo das ações previstas por estas três secretarias em conjunto:

Nota Conjunta SEPRT/RFB/SED nº 1/2019. Assunto: Simplificação do eSocial

1.A presente Nota trata da Simplificação do eSocial.

2. O Decreto nº 8.373 de 11 de dezembro de 2014 institui eSocial prevê tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas.

3. O eSocial já é uma realidade, no entanto, está passando por um processo de simplificação, a fim de tornar a sua utilização mais intuitiva e amigável.

4. Estão sendo eliminados, ou simplificados, diversos campos do layout relativos às informações trabalhistas, a fim de tornar menos oneroso o preenchimento pelas empresas, o que não implicará a perda de investimentos aplicados pelo setor público nem tampouco pelo setor privado.

5. As obrigações comuns decorrentes da folha de pagamento com repercussões trabalhistas, previdenciárias e tributárias, inclusive relativas aos órgãos públicos, serão transmitidas para o ambiente único nacional que ainda vai ser criado.

6. As informações de natureza tributária, inclusive para o financiamento da previdência social, serão tratadas na EFD REINF.

7. Com o intuito de garantir a segurança jurídica e a previsibilidade no ambiente de negócios das empresas, as 3 secretarias editarão no prazo de até 30 de setembro de 2019, um ato normativo conjunto com as novas regras para envio das informações ao ambiente único nacional, bem como o cronograma de substituição ou eliminação das seguintes obrigações:

a) GFIP - Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social;

b) CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados para controlar as admissões e demissões de empregados sob o regime da CLT;

c) RAIS - Relação Anual de Informações Sociais;

d) LRE - Livro de Registro de Empregados;

e) CAT - Comunicação de Acidente de Trabalho;

f) CD - Comunicação de Dispensa;

g) CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social;

h) PPP - Perfil Profissiográfico Previdenciário;

i) DIRF - Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte;

j) DCTF - Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais;

k) QHT – Quadro de Horário de Trabalho;

l) MANAD – Manual Normativo de Arquivos Digitais;

m) Folha de pagamento;

n) GRF – Guia de Recolhimento do FGTS; e

o) GPS – Guia da Previdência Social

Ainda é possível enviar o eSocial normalmente?

Sim, é possível continuar a enviar o eSocial normalmente, mas será necessário preparar os clientes enquadrados no Simples Nacional para o envio das informações no ano que vem. Além disso, deve haver uma regularização quanto à aplicação das regras trabalhistas e previdenciárias, para que não haja surpresas quando as informações chegarem ao sistemado do governo.

Prof. Antonio Sérgio

Antonio Sérgio de Oliveira é palestrante, professor e autor de diversos livros (e-Social, SPED, Bloco K, Substituição Tributária), com mais de 25 anos de experiência no segmento tributário e fiscal.

Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas