O que é DRE? Importância, para que serve e como usar

Entenda mais sobre o que é DRE e qual a importância deste documento para sua empresa. Ainda, veja os modelos de análise e o melhor para seu negócio.
Navegação Rápida
Navegação Rápida

O que é DRE? A Demonstração do Resultado do Exercício ou, como é conhecida internacionalmente, a Income Statement, é uma ferramenta financeira fundamental para qualquer negócio. 

Essencialmente, a DRE oferece uma visão detalhada do desempenho financeiro de uma empresa durante um período específico. 

Ela revela as receitas, custos e despesas, permitindo entender a eficácia operacional de uma organização. Vamos decifrar o que é a DRE, sua importância e como usá-la eficazmente.

O que é DRE? 

A Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) é uma ferramenta que possibilita uma análise contínua do desempenho financeiro de uma empresa, rastreando mês a mês suas receitas e despesas. 

A DRE é, essencialmente, um relatório que determina se as operações da organização estão gerando lucro ou prejuízo. É um documento baseado em um modelo DRE, que deve ser elaborado anualmente, geralmente junto ao balanço patrimonial.

Algumas empresas que já sabem o que é DRE e já a utilizam, optam por criar uma versão mensal da mesma para análises mais frequentes. 

Para que serve o DRE?

A DRE, ou Demonstração do Resultado do Exercício, desempenha um papel fundamental na definição das estratégias de negócios. Ela permite a análise detalhada do desempenho financeiro de uma empresa, comparando receitas, custos e despesas. 

Além disso, ela é uma ferramenta valiosa para a gestão empresarial, permitindo a avaliação do desempenho global da empresa e de cada departamento, auxiliando na identificação de eficiências e ineficiências.

A importância da DRE também está no fato de que ela serve como um relatório gerencial, fornecendo insights sobre a saúde financeira da empresa. Isso permite a tomada de decisões estratégicas, como a redução de gastos para aumentar os lucros.

Por último, saber o que é DRE e utilizá-la tem implicações fiscais, pois o governo a utiliza para avaliar se os impostos foram calculados corretamente, garantindo a conformidade fiscal. 

Quem precisa fazer a DRE? 

Algumas empresas, como as de capital aberto, são obrigadas a preparar e divulgar a DRE, ou seja, a Demonstração de Resultados de Exercício. Segundo a lei, elas devem apresentar a DRE a cada seis meses ou a cada período fiscal.

Essa apresentação deve ser feita diretamente no diário oficial da empresa e também em veículos de comunicação, servindo para informar aos investidores os resultados da empresa.

As empresas do tipo sociedade limitada também devem saber o que é DRE e prepará-la, mas, ao contrário das empresas com capital aberto, as LTDAs não são obrigadas a apresentarem publicamente os dados.

Saber o que é DRE não basta, é preciso saber como preenchê-la.

O que deve constar na DRE?

Antes de realizar a análise da Demonstração de Resultados do Exercício (DRE), é fundamental compreender todos os elementos que devem estar presentes neste documento. 

Além disso, é importante ressaltar que todas as receitas, custos e despesas devem ser incluídos na DRE na data em que ocorreram. 

A seguir, veja os principais dados que devem constar nesse relatório:

Receita de Vendas

  • Inclui todas as receitas provenientes da venda de produtos, prestação de serviços ou royalties;
  • Representa a quantia bruta que a empresa recebe antes de quaisquer descontos.

Deduções e Impostos

  • Engloba os descontos concedidos aos clientes e quaisquer abatimentos em impostos diretamente ligados às vendas, como o ICMS, por exemplo.

Receita Líquida

  • É calculada subtraindo as deduções (descontos) da receita de vendas;
  • Representa a quantia real que a empresa recebe após os descontos.

Custo Variável (CPV ou CMV)

  • Aborda os gastos relacionados à produção de mercadorias, compra de produtos ou custos associados à prestação de serviços;
  • São os custos diretos ligados ao que é vendido.

Margem Bruta

  • Resulta da subtração dos custos variáveis da receita líquida;
  • Fornece informações sobre a rentabilidade da empresa e a eficiência na gestão dos custos.

Despesas Variáveis

  • Registra as despesas que flutuam com base em fatores externos;
  • Exemplos incluem custos de entrega de pedidos, despesas com combustível e outros custos que não estão diretamente relacionados à produção.

Margem de Contribuição

  • Calculada subtraindo as despesas variáveis da margem bruta;
  • Mostra quanto a empresa tem disponível para cobrir as despesas fixas e, posteriormente, gerar lucro.

Resultado do Exercício

  • Representa os lucros ou prejuízos após a consideração de todas as receitas e despesas na DRE;
  • É o resultado das demonstrações financeiras de como a empresa se saiu em um determinado período.

Qual é a diferença entre DRE e fluxo de caixa?

Tanto o DRE quanto o fluxo de caixa são instrumentos essenciais para o acompanhamento da saúde financeira de uma empresa. No entanto, eles têm diferenças cruciais que os tornam apropriados para finalidades distintas.

O ponto mais notável quando você sabe o que é DRE e a diferença de fluxo de caixa, é entender o tipo de regime contábil que cada um utiliza. O fluxo de caixa segue o regime de caixa, focando nas transações financeiras reais no momento em que ocorrem. 

Em contraste, o DRE emprega o regime de competência, que considera o reconhecimento de receitas e despesas independentemente de quando o dinheiro efetivamente entra ou sai da empresa.

Outro ponto importante é a frequência de emissão. O DRE é elaborado anualmente, embora algumas empresas optem por emiti-lo mensal ou trimestralmente, enquanto o fluxo de caixa é normalmente atualizado diária ou semanalmente.

Ele é vital para avaliar a rentabilidade de longo prazo da empresa e sua capacidade de cobrir todas as despesas, incluindo as não relacionadas ao caixa, e gerar margem de contribuição.

Como montar DRE passo a passo

Após dominar o que é DRE, montar uma Demonstração de Resultados do Exercício (DRE) requer passos cuidadosos para garantir precisão e relevância. 

Aqui estão os 8 principais passos a seguir:

  • Reúna dados financeiros: colete todos os dados financeiros da empresa;
  • Identifique o tempo: defina o período que você deseja abranger;
  • Classifique as receitas: separe suas receitas em categorias apropriadas;
  • Liste os custos: faça uma lista de todos os custos associados à produção, compra de mercadorias ou prestação de serviços;
  • Calcule a margem bruta: subtraia os custos das receitas para encontrar a margem bruta;
  • Agrupe despesas: classifique e agrupe as despesas em categorias;
  • Calcule a margem de contribuição: subtraia as despesas das receitas e da margem bruta para encontrar a margem de contribuição;
  • Analise o resultado: finalmente, examine o resultado do exercício, que indica se a empresa teve lucro ou prejuízo. 

Como fazer a análise de DRE?

Após compreender o que é DRE e dominar sua estrutura, é hora de explorar como ela é realmente criada. Existem vários modelos que podem ser adotados para facilitar esse processo. Vamos dar uma olhada em alguns deles?

Análise Vertical

A análise vertical serve para entender o peso percentual de cada conta de custos ou despesas em relação à receita bruta. 

Isso permite monitorar a estabilidade desses percentuais e identificar qualquer desvio significativo. Quando os números variam anormalmente, é hora de investigar e fazer ajustes para manter o equilíbrio.

Análise Horizontal

A análise horizontal foca na variação de fatores como receitas, custos e despesas ao longo do tempo. 

Ela compara os resultados mês a mês, ajudando a monitorar a produtividade e a rentabilidade. Isso permite avaliar se os esforços estão gerando melhorias ou não.

DRE Planejado X Realizado

Comparar o DRE Planejado com o Realizado ajuda a verificar se as metas estão sendo atingidas. Se houver desvios significativos, é um sinal de que medidas corretivas podem ser necessárias.

Essa comparação envolve alinhar os resultados planejados com a estrutura da declaração.

Indicadores de Desempenho

A DRE pode fornecer indicadores de desempenho valiosos, como faturamento bruto, ticket médio e lucratividade. Esses indicadores permitem monitorar o progresso da empresa, identificar oportunidades de melhoria e manter estratégias eficazes em vigor. 

Além disso, os indicadores são essenciais para gerir de forma mais assertiva. Esse processo fica ainda mais ágil em conjunto com um sistema de gestão.

Perguntas sobre o relatório DRE

Agora que você já sabe o que é DRE, confira alguns pontos específicos desse relatório:

Como explicar a DRE?

A DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) é um relatório financeiro que mostra o desempenho econômico da empresa em um período específico. Ela detalha as receitas, custos e despesas, resultando no lucro ou prejuízo da empresa.

Qual a diferença do balanço patrimonial e DRE?

O Balanço Patrimonial é um instantâneo das finanças da empresa em um determinado momento, mostrando ativos, passivos e patrimônio líquido. A DRE é dinâmica, indicando o desempenho financeiro ao longo de um período.

Quais contas não entram no DRE?

Algumas contas não são incluídas na DRE, como investimentos a longo prazo, compra de imobilizado, entre outras. A DRE se concentra nas operações do dia a dia que afetam diretamente o resultado financeiro.

No mundo dos negócios, entender o que é DRE é fundamental. Essa ferramenta revela o desempenho financeiro da sua empresa, o que é crucial para tomar decisões acertadas. 

Mas lembre-se, o pulso financeiro do seu negócio é ainda mais eficiente com a ferramenta certa, como um sistema financeiro. Ele pode ser o segredo do seu sucesso empresarial. Saiba mais sobre Sistema Financeiro para Empresas!

Banner CTA

Compartilhe este post
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Conteúdos relacionados
DFC: Demonstrativo de Fluxo de Caixa
Veja como montar uma DFC para a saúde financeira e longevidade da sua empresa.
Contabilidade societária
Entender sobre contabilidade societária é fundamental para oferecer serviços mais completos e estratégicos para empresas com sócios.
Descubra o certificado digital A3, entenda como ele se diferencia do A1 e aprenda a usá-lo no seu trabalho para