Como elaborar um plano de contas contábil?

Saiba como fazer um eficiente plano de contas contábil e como isso impacta positivamente seu escritório.

09/Jun/2022
Contabilidade

Algumas ferramentas são essenciais para uma gestão eficiente, e o plano de contas contábil é uma delas. Porém, o que é preciso levar em conta, também, é o fato de que ele deve ser elaborado de forma personalizada de acordo com o negócio, já que trabalhará com os dados financeiros da empresa em questão.

Essa é uma ferramenta que auxilia, e muito, o trabalho do profissional contábil, pois registra com segurança os movimentos financeiros, classificando-os e codificando-os de forma a apresentar o uso de cada recurso ao administrador/gestor.

Se você ainda tem dúvidas de como fazer, continue lendo este artigo. Preparamos um passo a passo de como elaborar com precisão um plano de contas contábeis e suas etapas. 


O que é plano de contas contábil?

Basicamente, um plano de contas contábil reúne todas as contas de uma empresa em um só lugar, como se fosse uma lista com códigos e classificações, fornecendo uma visão 360 dos gastos de cada departamento, com informações relevantes e determinantes, como ativos, passivos, despesas e receitas.

Por meio dele, elaboram-se relatórios coringas para a organização contábil de um negócio, como o Demonstração de Resultado do Exercício (DRE) e o Balanço Patrimonial (BP).

Graças ao plano de contas contábeis, é possível realizar a gestão de forma totalmente disposta e metodizada de ativos, passivos, despesas, custos e receitas de uma empresa e, assim, gerar os demonstrativos fiscais. Isso facilita muito o dia a dia do profissional de contabilidade.

As diferenças entre o plano de contas contábil e o gerencial 

É muito importante um profissional de contabilidade saber a diferença entre o plano de contas contábil e o plano gerencial, pois a escolha de cada um na sua rotina afetará as decisões e as tarefas.

Ainda que ambos sejam responsáveis pelo registro de movimentações financeiras da empresa, há uma saliente diferença entre eles.

O plano de contas gerencial registra receitas e despesas da empresa, analisando as suas finanças de forma mais simples. Já o plano de contas contábil oferece precisão quanto às divisões de ativo e passivo nas finanças da empresa.

Na prática, são formas diferentes de manter a organização das contas do negócio, que, se automatizado, garante uma otimização de tempo e demandas.

Qual o objetivo do plano de contas contábil?

A função do plano de contas é servir de base para a elaboração dos principais relatórios contábeis de uma empresa, como Balancete, DRE, Fluxo de Caixa, dentre muitos outros. 

A importância desses relatórios demonstrativos é imensa, pois, por meio deles, é possível o cálculo preciso dos indicadores fiscais e contábeis.

Ademais, o plano de contas contábil permite que a gestão tenha uma noção clara e definida da situação econômica e financeira, já que dispõe os resultados de forma ampliada, com o detalhamento de pagamentos e recebimentos do extrato bancário jurídico.

Se realizado correta e eficientemente, o plano abraçará as movimentações financeiras do empreendimento como um todo, de forma que os balanços e as demonstrações sejam elaborados para fornecer informações decisivas para o gestor.

Pode ser elaborado de forma simples, como uma planilha, na qual se inserem manualmente as informações, descrevendo o tipo de ganho e os tipos de despesas do negócio, porém deve ser levado em conta o tempo gasto nessa tarefa, que exige ampla atenção.

Que normas orientam a elaboração do plano de contas contábil?

Para que seja elaborado de forma adequada e correta, o plano de contas contábil deve seguir os princípios  fundamentais da contabilidade, que são: entidade, oportunidade, continuidade, registro pelo valor original, competência e prudência, seguindo, assim, o padrão determinado pela Lei das S/A, de n.º 6.404/76, e pela Lei n.º 11.638.

Não há um modelo exclusivo e único, pois cada plano deve ser elaborado de acordo com o tipo de empreendimento. 

Entretanto, essa legislação exige que o plano de contas seja elaborado de forma a seguir regras e um modelo já estruturado:

  • ativo;
  • passivo;
  • despesas e custos;
  • receitas.

Veremos, a seguir, os detalhes dessa estrutura.

Como é estruturado um plano de contas contábil?

As diretrizes da Lei das Sociedades Anônimas ditam como deve ser a estrutura do plano de contas. A legislação define da seguinte maneira:

Ativos

Aqui entra toda a parte positiva do patrimônio da empresa, como os bens e os direitos da organização, em suas subcategorias:

  • Ativos circulantes: bens que se movimentam em um prazo inferior a 365 dias (exemplos: dinheiro em caixa, aplicações financeiras e estoques).
  • Ativos não circulantes: abrangem contas a receber a longo prazo, isto é, superiores a 365 dias (exemplos: máquinas e equipamentos, participações societárias).

 Ainda podemos dividir os não circulantes em:

  • Realizáveis em longo prazo: bens e direitos, que serão realizados em um período superior a 365 dias (exemplos: empréstimos de longo prazo e aplicações financeiras).
  • Investimentos: participações e aplicações dos sócios, que trazem lucros para o negócio (exemplos: obras de arte, ações externas etc.).
  • Imobilizado: aqui entram máquinas, equipamentos, terrenos e imóveis.
  • Intangível: bens não palpáveis (exemplos: licenças, patentes, softwares etc.).

Passivos

Aqui estão as obrigações da empresa e suas dívidas, representando o negativo do negócio. Estão subdivididos em:

  • Passivos circulantes: obrigações que serão honradas dentro de 365 dias (exemplos: impostos, salários e parcelas de compras operacionais ou não).
  • Passivo não circulante: despesas provisionadas que serão pagas no ano seguinte (exemplo: empréstimos bancários).
  • Patrimônio líquido: o patrimônio da empresa, um capital próprio dos sócios ou dos acionistas. 

Despesas e Custos

Aqui estão contas passivas, como pagamentos a fornecedores, colaboradores e relativos à compra de novo maquinário, equipamentos e acessórios para produção. Dividem-se em:

  • Operacionais: relacionados à manutenção da operação (exemplo: despesas administrativas).
  • Não operacionais: sem relação com a operação (exemplos: patrocínios ou doações).

Receitas

Aqui entram todos os valores diretamente ligados à venda de produtos ou serviços que entram no caixa da empresa e aqueles relacionados ao rendimento de investimentos da empresa (exemplo: a renda de aluguéis). Podem ser divididos em:

  • Operacionais: geradas diretamente por vendas ou prestação de serviços.
  • Não operacionais: geradas de outras formas indiretas (exemplo: pela venda de um imóvel imobilizado).

Agora que você já conhece as categorias, ficará mais fácil entender como funciona e como é estruturado um plano de contas.

Basicamente, as contas são organizadas em um modelo hierárquico, formado por níveis e subníveis, disponibilizados da seguinte forma:

  • 1. Primeiro nível;
  • 1.1 Segundo nível;
  • 1.1.1 Terceiro nível;
  • 1.1.1.1 Quarto nível.

Veja este exemplo de categorização do dinheiro disponível no caixa da empresa:

  • 1. Ativo;
  • 1.1. Ativo circulante;
  • 1.1.1 Disponível;
  • 1.1.1.1 Caixa.

Entretanto, trouxemos o exemplo acima apenas para uma melhor visualização, pois cada empresa pode, e deve, criar as suas categorias, respeitando as suas movimentações. O mais importante é priorizar a estrutura básica do balanço patrimonial, disposta nesta ordem:

  1. Ativo
  2. Passivo
  3. Despesas e Custos
  4. Receitas

Apenas atente-se, pois, dentro de cada uma dessas categorias, são criadas as contas agrupadoras. Em seguida, estão as subcontas detalhadas, conhecidas por contas analíticas.

Passo a passo de como elaborar um plano de contas contábil

Elaboramos um passo a passo simples, mas eficiente, para que você consiga elaborar com objetividade o seu plano de contas contábil. Confira:

  • Passo 1. Organize os documentos da empresa - A organização dos documentos financeiros da empresa é o ponto de partida para elaborar o plano de contas. Com o registro de todas as transações organizadas e em mãos, vamos ao passo 2.

  • Passo 2. Separe os grupos - Faça a segmentação dos grandes grupos, cada um com sua descrição, e considere as categorias exigidas: ativos, passivos, despesas e receitas.

  • Passo 3. Crie níveis e subdivisões - Agora realize a organização dos níveis, levando em conta todos os dados da empresa. É essencial organizar as subdivisões do modo mais detalhado possível que você conseguir, para que todas as informações relevantes sejam incluídas, garantindo um controle financeiro amplo.

Dica: qualquer falha de informação inserida pode prejudicar a elaboração do plano de contas contábil, por isso tenha muita atenção no momento de separar as informações e as categorias.

Seguindo o passo a passo acima, é possível traçar o plano de contas de qualquer empresa, estruturando documentos contábeis fundamentais para a realização de análises, auxiliando nas tomadas de decisões.

Conte com a Omie para facilitar sua rotina contábil

Vimos a importância do plano de contas para o sucesso financeiro de toda e qualquer empresa. A palavra-chave em uma rotina contábil sempre será organização. 

Porém, como existem dados que precisam ser registrados diariamente, é recomendável usar um sistema automatizado, para facilitar o registro de cada movimentação.

Para essa missão, conte com o sistema de gestão contábil da Omie, contabilidade digital fácil e segura para revolucionar a sua rotina contábil e o resultado final da entrega do serviço ao seu cliente.

Entre em contato com nossos consultores e seja nosso contador parceiro.

Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas