Como saber se o boleto é falso? 10 Dicas para se proteger contra esse golpe

Listamos algumas dicas de segurança para você se proteger contra fraudes em boletos bancários.
Navegação Rápida
Navegação Rápida

Mesmo com o expressivo aumento dos pagamentos realizados por Pix, o boleto bancário continua representando um espaço significativo para a lista de modalidades de meios de pagamento mais utilizadas no Brasil. Segundo dados divulgados pela Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN), 4,03 bilhões de transações por boletos bancários foram realizadas no país em 2022, o que representa um valor transacionado de R$ 5,3 trilhões. 

Exatamente por isso, muitos brasileiros – principalmente os empreendedores – puderam notar o número crescente de golpes envolvendo este meio de pagamento. A lista de fraudes financeiras cresce a cada dia, e as armadilhas se tornam cada vez mais sofisticadas. 

Entre as estratégias utilizadas pelos golpistas está o boleto falso, que consiste na criação de um documento bem parecido com o original. A diferença é que após o pagamento ser realizado, o valor é enviado para a conta bancária do golpista em vez de para o verdadeiro credor.

Mas como se proteger? Uma das principais maneiras para evitar prejuízos causados por esse tipo de fraude é estar atento na hora de realizar o pagamento de um boleto, conferindo com cautela todas as informações do documento e, em qualquer sinal de dúvida, confirmando as informações em canais oficiais. Neste conteúdo você confere outras dicas essenciais para evitar ser enganado(a) nesse tipo de transação financeira. Vamos lá?

Campos do boleto bancário: o que significa cada um deles?

Antes de aprender a se prevenir contra golpes envolvendo boletos bancários, é essencial conhecer a fundo a estrutura do documento. Assim, fica muito mais fácil identificar possíveis fraudes na hora de confirmar as informações. Os boletos são padronizados pela FEBRABAN e contam com duas partes: 

  • A parte superior, que representa o recibo do pagador;
  • A parte inferior, que indica a ficha de compensação.

O recibo do pagador precisa conter informações básicas como valor, data de vencimento, beneficiário e pagador. Para ficar mais claro, o beneficiário é aquele que receberá o pagamento, e o pagador representa quem vai realizar o pagamento. Essa parte do boleto não tem um formato pré-definido, mas é imprescindível que contenha todos os dados.

A ficha de compensação, por outro lado, conta com uma formatação mais restrita e campos obrigatórios. Todos os seus elementos têm um significado; confira o que cada um deles representa:

  • Código de barras: com a função de automatizar pagamentos com o uso do leitor óptico, o código conta com barras que podem variar de espessura e identificar números de 0 a 9.
  • Linha digitável: representa, de forma numérica, os dados do código de barras. É importante notar que os últimos dígitos indicam o valor a ser pago pelo documento. 
  • Nosso número: viabiliza que o boleto seja relacionado ao pagador e ao emitente. Trata-se da identificação única do boleto no software emissor do documento.
  • Instruções para o caixa: esse campo não tem preenchimento obrigatório e fornece as instruções para o caixa no momento do pagamento, como multas e juros.
  • Vencimento: indica a data limite para pagamento. Após essa data, são aplicados juros proporcionais e taxas de multa. 
  • Código do banco: formado pelos três primeiros dígitos mais o dígito verificador, informa o número do banco. A lista completa de códigos dos bancos é atualizada de acordo com dados do Banco Central do Brasil e da FEBRABAN. 
  • Valor do boleto: aponta o valor a ser pago por meio do documento.
  • Carteira: tem a função de indicar se o boleto é registrado ou não e varia de banco para banco.
  • Data do documento: indica a data em que o boleto foi emitido ou gerado.
  • Beneficiário: indica o emissor do documento, que pode ser pessoa física ou jurídica.
  • Pagador: traz os dados de quem vai efetuar o pagamento e precisa apresentar nome completo, endereço e CPF ou CNPJ.

O que é e como acontece o golpe do boleto falso?

Agora que você já conhece todos os campos do documento, é possível identificar a diferença entre um boleto falso e um boleto verdadeiro. Para que um boleto falso seja criado, é necessário que o golpista tenha acesso aos dados do pagador. 

Os dados podem ser obtidos de diversas maneiras, entre elas o envio de links suspeitos que direcionam para páginas criadas especialmente para a execução da fraude e, ainda, vazamentos de dados da vítima.

Os cibercriminosos criam malwaressoftwares maliciosos que podem ser usados para causar prejuízos financeiros, interceptar dados ou danificar sistemas de computadores e celulares – para aplicar o golpe. Depois de conseguirem os dados de que precisam, os golpistas enviam à vítima por e-mail um boleto falso muito parecido com o original. O pagamento, porém, não é enviado ao emissor, e sim à conta dos criminosos.

Há ainda o golpe do boleto falso impresso, que consiste em modificar o código de barras no momento da impressão do documento. Enquanto a impressão acontece, o malware instalado na máquina altera as informações do boleto, e em vez de a vítima realizar o pagamento correto, o valor é enviado para outra conta bancária.

Dicas: como evitar o golpe do boleto falso

Pagar boletos é uma tarefa que exige calma e paciência. Assim, escapar dos golpes se torna mais fácil, já que as informações podem ser conferidas corretamente. Mas você sabe quais dados precisam de atenção e quais são as outras instruções para se proteger de fraudes? Aqui vão algumas dicas para te ajudar:

Como saber se o boleto é falso? Confirme os dados

Sempre confirme se os seus dados pessoais estão corretos, assim como os dados do beneficiário. Pesquise o CNPJ informado no documento, bem como o nome fantasia ou a razão social da empresa. Caso você não consiga reconhecer as informações, não pague o boleto e entre em contato com o emissor.

Verifique os primeiros dígitos do código de pagamento

Como você já sabe, os primeiros dígitos representam o código do banco. É possível confirmar o código de cada banco na lista completa  do site da FEBRABAN.

Mantenha seu antivírus atualizado

Para evitar a instalação de malwares no(s) seu(s) dispositivo(s) eletrônico(s), é imprescindível contar com um software específico para essa função. Além disso, não se esqueça de realizar atualizações periódicas para proteger sua máquina. 

Evite a utilização de redes de Wi-Fi públicas ou abertas

O acesso a redes de Wi-Fi públicas pode facilitar a entrada de softwares maliciosos em seu(s) dispositivo(s) eletrônico(s) móvel(is), o que facilita o acesso dos criminosos aos seus dados e transações bancárias. Já quando se trata de sua própria rede Wi-Fi, sempre utilize senhas fortes para permitir a conexão entre internet e seu(s) equipamento(s).

Acesse seu boleto em sites oficiais e seguros

Para reforçar ainda mais a segurança no pagamento de boletos, faça o download do documento em sites oficiais do banco ou da empresa que você precisa pagar. O Portal Omie, por exemplo, é um canal que garante às empresas que utilizam o Omie ERP enviarem seus documentos fiscais e de cobrança aos clientes de maneira fácil e segura. 

Tenha atenção redobrada com boletos enviados por e-mail

Pessoas mal-intencionadas costumam se passar por empresas confiáveis para realizar golpes. Mesmo que o recebimento de boletos por e-mail seja realizado de maneira periódica, sempre verifique as informações do boleto com atenção. Se receber mensagens via WhatsApp ou SMS com um pedido de pagamento de boleto, desconfie. 

Desconfie de códigos de barras que apresentam falhas na leitura automática

Caso exista dificuldade no reconhecimento dos dados do código de barras e se for necessário digitar o número, evite o pagamento do documento. Muitas vezes, boletos fraudados apresentam erros grosseiros, como o espaço excessivo entre as barras. 

Não imprima boletos

Quadrilhas utilizam malwares para adulterar dados de boletos na hora da impressão. Por isso, evite imprimir o documento. 

Atualize suas senhas com frequência

Utilizar a mesma senha para mais de um canal e durante muito tempo facilita a obtenção dos seus dados. Sempre utilize senhas fortes e diferentes para cada canal, realizando  trocas a cada 30 dias. 

Utilize a verificação de duas etapas

A verificação de duas etapas é um mecanismo de segurança que impede o acesso às suas contas mesmo quando há vazamento de dados. Esse recurso fornece ao usuário uma senha temporária para a verificação de sua identidade, o que dificulta o trabalho de cibercriminosos.

Segurança: um compromisso de todos

Mesmo com a crescente aplicação de golpes cibernéticos, principalmente os que envolvem transações bancárias, a prevenção continua a ser a melhor maneira de permanecer seguro. Por isso, sempre prefira comprar serviços ou realizar parcerias com empresas com sólidos pilares de segurança e prevenção contra fraudes.

A Omie é uma empresa comprometida com a segurança das mais de 150 mil empresas que utilizam suas soluções, mantendo padrões rígidos de cibersegurança. Os dados do seu negócio são muito valiosos; por isso, seguir as dicas contidas neste conteúdo e utilizar sistemas seguros são ações indispensáveis. Além disso, ao gerenciar sua empresa com o Omie ERP, você conta com uma equipe de suporte humana, com um índice de 99% de aprovação.

Banner CTA

Compartilhe este post
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Conteúdos relacionados
Salário Mínimo: nota de cem reais e moedas de 1 real
Entenda como funciona a lógica por trás do reajuste do salário mínimo, os valores de 2023 e as perspectivas para
Orçamento Incremental: pessoa em mesa de escritório com caneta, notebook, papéis e calculadora
Entenda mais detalhes sobre o orçamento incremental e quando ele deve ser escolhido
orçamento ajustado significado e exemplos
Descubra o que é orçamento ajustado e veja exemplos práticos. Saiba vantagens e como usar em sua empresa.