O que é ramo de atividade e como escolher o seu?

Escolher um ramo de atividade é fundamental para definir e planejar o rumo do seu negócio. Aprenda as melhores práticas e decida hoje mesmo!
Navegação Rápida
Navegação Rápida

Antes mesmo de começar o planejamento e traçar as metas do seu negócio, é importante definir qual será o seu ramo de atividade. Assim torna-se mais fácil ter foco e visão, seja qual for o objetivo, evitando desperdiçar recursos, tempo e dinheiro em várias frentes de atuação que podem não ser as que mais se enquadram nos seus serviços ou produtos.

Empreender envolve muito mais que somente taxas e tributos. Todas as etapas de um planejamento estratégico são fundamentais para a construção de uma empresa com um negócio sólido. Por isso, neste artigo, aprenda o que é ramo de atividade e as etapas para ajudar você nesta escolha. Boa leitura!

O que é ramo de atividade?

É o segmento em que sua empresa irá atuar, ou seja, sua principal atividade do negócio e o que irá gerar valor a seus clientes. Para escolher, comumente, se opta pela identificação com alguma atividade que se tenha domínio e expertise, transformando tal conhecimento em um negócio em potencial.

Também deve-se levar em consideração apontamentos como seu público-alvo, investimento necessário, metas, estrutura, concorrência e outros tantos pontos importantes para dar viabilidade ao negócio. Uma dica é analisar experiências anteriores, sejam elas com empreendedorismo ou não, buscando, além disso, respaldo com outros profissionais mais experientes na área.

Exemplos de ramo de atividade

Os ramos de negócio abrangem diferentes níveis de atuação e podem ser tanto para indústria, negócios de maior porte, comércio, considerando um nível de atuação médio, ou serviços de diversos tipos. Conheça mais sobre cada ramo a seguir:

Comércio

Uma empresa atuante no comércio é aquela que atende diretamente consumidores finais, com a responsabilidade de vender produtos que foram fabricados pelo setor da indústria.

A venda pode ser direta, em pequenas quantidades, como é o caso de varejistas, ou em grandes quantidades de produtos para quem segue o ramo de revenda, que é o caso dos comércios atacadistas. Exemplos dessa atividade:

  • lojas de eletrônicos;
  • lojas de roupas;
  • supermercados;
  • minimercados;
  • perfumarias;
  • farmácias.

Serviços

Já uma empresa atuante no ramo de serviços é aquela que não vende ou fabrica produtos, mas utiliza-se da prestação de serviços úteis ao cliente ou de mão de obra para certa atividade. Aqui, incluem-se os profissionais que oferecem serviços ao cliente, auxiliando-o em várias de suas necessidades. Alguns exemplos:

  • escritórios de contabilidade;
  • cinemas;
  • cursos educacionais;
  • consultórios clínicos;
  • taxistas;
  • consultores;
  • advogados;
  • dentistas.

Indústria

Esta categoria caracteriza-se pela transformação da matéria-prima em produtos que são fabricados para a comercialização. Ou seja, altera-se um insumo para transformá-lo em uma mercadoria que pode ser vendida ou utilizada. Alguns exemplos:

  • fábricas de roupas;
  • fábricas de móveis;
  • fábricas de cosméticos;
  • fábricas de brinquedos;
  • fábricas de sapatos.

Nesse setor, a empresa deve ser definida conforme o produto produzido, visando uma identificação no mercado que siga sua especialidade e permita maior diálogo com outras empresas, seja para troca de fornecedores e matérias-primas, ou para revenda.

Por que escolher um ramo de atividade antes de iniciar um negócio?

Primeiramente, é importante destacar que o ramo de atividade é o que determinará em que área sua empresa irá atuar, por isso, escolhê-lo facilita também a definição do seu serviço ou produto. Esse é o principal motivo de escolher um ramo de atividade antes mesmo de decidir abrir uma empresa e formalizá-la – foco e pensamento operacional.

Ademais, a escolha é de extrema importância para realizar o planejamento estratégico da empresa, pois a finalidade de sua existência é uma das coisas que definirá a missão, visão e valores da empresa, assim como quais atividades serão desenvolvidas.

Há normas que deverão ser cumpridas pelos sócios, se assim estiver em seus planos. E, mesmo que não possua sociedade, ainda assim existirão obrigações e direitos. É preciso escolher a natureza jurídica, que define as regras que deverão ser cumpridas pelos sócios, as obrigações, direitos e benefícios da empresa.

Além disso, a escolha do ramo em que irá atuar ajuda a saber a natureza jurídica da sua empresa e a definir em qual CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) ela se encaixa.

Entre os tipos de natureza jurídica, a sua empresa pode ser:

  • MEI (Microempreendedor Individual);
  • Sociedade Simples Limitada;
  • Sociedade Limitada Unipessoal;
  • Sociedade Anônima;
  • SLU (Sociedade Limitada Unipessoal), que substitui a extinta Eireli (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada).

Após isso, é necessário escolher o código CNAE que representa as suas atividades. Esse é o código que identifica os itens fabricados, comercializados e os serviços que são prestados por uma empresa. Dessa forma, o CNAE possibilita saber qual o enquadramento fiscal da sua empresa, para definir quais impostos deverão ser recolhidos, quais as suas obrigações e incentivos fiscais.

Lembre-se de que é o seu planejamento estratégico que apontará os caminhos a percorrer, reduzindo os riscos que existem na rotina de um empreendedor de sucesso.

6 etapas para escolher o ramo de atividade do seu negócio

Geralmente, essa é uma definição que já se faz antes mesmo de abrir uma empresa, porém, o que ocorre muitas vezes é que o empreendedor já possui uma atividade que deseja transformar em um negócio formalizado.

Assim, é no momento da formalização que se deve adequar sua atividade, de acordo com as três categorias existentes no ramo, conforme citado (comércio, serviço ou indústria). Acompanhe as etapas a seguir, para a  escolha do ramo de atividade de uma empresa:

1. Escolha um ramo de atividade que você goste

É essencial que você escolha uma atividade que realmente tenha interesse em desenvolver e que goste de trabalhar. Há infinitas opções: empresa física, loja ou digital e prestação de serviços. Enfim, o mercado está aí para quem deseja se arriscar e oferecer inovações aos consumidores.

2. Conheça o seu negócio

Tão importante quanto gostar é conhecer e aprofundar-se no segmento escolhido. Por isso, estude os pontos fortes e que precisam de melhorias e atualize-se o máximo que puder sobre a atividade com a qual irá trabalhar, de modo a oferecer sempre o melhor serviço, atendimento e o diferencial que conquistará seus potenciais clientes.

3. Conheça seu público-alvo

Realize pesquisas de mercado para saber se há mesmo consumidores para a sua ideia de negócio. Leve em consideração a localização, concorrentes ao redor, e os diferenciais que esse público busca em uma empresa como a sua.

As respostas dependerão da localização, muitas vezes, se o seu caso for uma empresa física. Por exemplo, uma confeitaria pode não ter um grande público em um certo bairro pequeno, entretanto, seu público pode estar aquecido em um bairro vizinho.

4. Estude a concorrência

É fundamental mapear e estudar a concorrência. Afinal, como trabalhar os seus próprios diferenciais se não sabe os diferenciais do seu concorrente? A dica é estudar todos os pontos do concorrente e encontrar o que você fará de especial e diferente para atrair clientes e conquistá-los.

5. Considere o investimento

Levante o investimento que será necessário para tirar o projeto do papel. Ou seja, qual valor você precisa para dar o start em seu negócio. Pode ser que você não possua todo o valor do qual precisa. Nesse caso, estude um apoio externo como familiares, empréstimos bancários, um investidor anjo, amigos etc. Veja o que está dentro de sua realidade.

O investimento inicial de uma empresa consiste no valor que você precisa ter para tornar o seu negócio uma realidade, sem gerar dívidas.

6. Analise as possibilidades futuras do negócio

Reflita se o seu negócio tem chances reais de continuar com o mesmo sucesso daqui a cinco anos, por exemplo. Veja bem, pensar nisso é importante para saber se a atividade escolhida será ainda necessária e requerida daqui a uns anos, tendo em vista o contexto de constantes e rápidas mudanças tecnológicas.

Isso significa que sua empresa precisará no futuro atender/contribuir com seus clientes de acordo com a mesma importância atual e que não se trata apenas de um modismo passageiro, por exemplo. Uma ótima opção é investir em inovação e tecnologia, buscando, ainda, basear-se em dados e usar as novas dinâmicas de consumo a seu favor.

Fique de olho nas finanças

Tudo o que vimos é muito importante para que seu negócio tenha êxito e destaque-se no mercado. Porém, de nada adianta um bom planejamento estratégico, metas, objetivos, CNAE adequada e tudo o mais, se você descuidar da gestão financeira e contábil do seu negócio. O financeiro é o coração da empresa.

Entretanto, sabemos como é complicado gerir a rotina completa do negócio e empreender, ao mesmo tempo. Por isso, conte com a Omie, um software ideal, com diversas soluções em nuvem para ajudar você na missão de descomplicar suas finanças. Entre em contato com nossos consultores Omie e conheça todos os benefícios de crescer sua empresa com inovação e tecnologia!

Banner CTA
Compartilhe este post
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Conteúdos relacionados
EFD-Reinf
EFD-Reinf: confira o que é, quais são as mudanças para 2024 e como ficar dentro da conformidade.
a importância de gestão de custos
Confira o que é gestão de custos, como diferenciar custos fixos e variáveis e como melhorar lucratividade e a eficiência
tabela icms
O ICMS é um tributo fundamental e pode afetar o seu negócio. Confira a tabela 2024 atualizada com os valores