O que é BPO e qual a sua importância no futuro da contabilidade?

Você sabe o que é o BPO e quais as perspectivas do setor contábil no Brasil com base nesse tipo de inovação? Vamos entender um pouco mais sobre o assunto.

21/Out/2020
Contabilidade

Com faturamento anual de US$ 490 bilhões, o mercado contábil mundial está em grande expansão e, nos próximos anos, o Brasil tende a se tornar o número um do setor. Para isso, o empreendedor contábil precisa olhar para si, assimilar as transformações tecnológicas, sociais e mercadológicas que impactam o negócio e mudar o mindset na hora certa para sair na frente.

Muitas vezes, a transformação deve ser feita na base, no modelo de negócio e na forma como se agrega valor ao cliente, mesmo que a empresa esteja navegando no mar da prosperidade. Esse processo é doloroso. A saída da zona de conforto traz riscos e exige novo modo de pensar. No entanto, quem não muda, já está fadado ao fracasso.

Muitos profissionais da contabilidade têm falado em Business Process Outsourcing, mais conhecido como BPO. Mas, você sabe o que é BPO? Vamos entender um pouco mais sobre o assunto a seguir e conhecer as perspectivas do setor contábil no Brasil com base nesse tipo de inovação.

O que é BPO - Business Process Outsourcing?

O Business Process Outsourcing, ou apenas BPO, é o processo de terceirização de processos de negócios que, em geral, usam (ou deveriam usar) intensamente a tecnologia da informação. O processo de outsourcing é, basicamente, terceirizar determinadas atividades da empresa para que sejam executadas por especialistas da área, sempre com o objetivo principal de aumentar a produtividade e redução de custos e riscos para os negócios.

Pense bem: por quais motivos uma empresa terceirizaria um processo de negócios dela? As respostas podem envolver:

1. Foco maior no core business

2. Redução de custos e riscos

3. Garantia da continuidade das operações

4. Garantia da conformidade legal

 

Mas, na realidade, tudo isso se resume a um ponto: os serviços de BPO resultam na redução do custo total da operação. Se fosse mais barato, a empresa certamente teria aquele processo interno e não o entregaria a um terceiro. E inclua neste conceito de barato, o custo de oportunidade (foco no core business), custo do risco, conformidade e o de continuidade.

 

Por isso, as empresas de BPO devem utilizar intensivamente a tecnologia. Sem a automação dos processos, integração da cadeia produtiva dos clientes e mecanismos de autoatendimento, o BPO deixa de ser competitivo.

Por que ofertar serviços de BPO para seus clientes?

Basicamente, todos os escritórios de contabilidade são empresas de serviços de BPO. Eles fornecem desde a terceirização da gestão financeira como também de processos contábeis, trabalhistas e tributários. 

 

Mas então, por que tantos empreendedores da contabilidade buscam criar a oferta de BPO financeiro e cuidar do contas a pagar, receber ou mesmo do faturamento de seus clientes? Há três razões importantes que explicam essa busca:

 

1. Ainda é um mercado onde há mais demanda que oferta, quando nos referimos às pequenas e médias empresas. Portanto, ainda não há uma competição por preços tão forte.

2. O BPO dos processos financeiros gera um efeito sinérgico com o BPO do processo fiscal e contábil, resultando em um custo total de operação menor, além de colaborar para a estruturação financeira da empresa de forma mais eficiente.

3. A acuracidade das informações e a maior eficiência dos processos (BPO contábil, fiscal, financeiro), facilita de forma extraordinária a prestação de serviços consultivos e aconselhamentos estratégicos.

 

O fato crítico que determina o sucesso da oferta de BPO mais amplo, ou seja, contábil, fiscal, trabalhista e financeiro, é o uso intensivo de tecnologia. Então, se seu foco está nas pequenas e médias empresas, é imprescindível a utilização de um sistema de gestão empresarial (ERP) em nuvem, devidamente integrado aos sistemas de processamento da contabilidade, folha e fiscal.

O Brasil como potencial líder mundial no setor contábil

De onde vem o potencial do Brasil para tomar a dianteira e conquistar a medalha de ouro no segmento empreendedor contábil? Primeiramente, do grande universo empresarial: são mais de dez milhões de empresas constituídas no território nacional, uma marca dificilmente batida em outros países.

Outro ponto favorável é a prática de cobrança por receita mensal recorrente em detrimento do modo utilizado na maioria dos países por hora trabalhada, que tem se mostrado ineficaz em virtude da tecnologia. Enquanto outras nações correm atrás do prejuízo, o mercado brasileiro já está adaptado ao formato de sucesso utilizado por outros segmentos e empresas, a exemplo da Amazon e da Netflix, que vêm consagrando o modelo por assinatura.

No mundo, o mercado contábil pode ser dividido em três níveis:

1. Terceirizador, que corresponde à execução de tarefas como cumprimento de obrigações acessórias;

2. Consultor ou Educador, relacionado à oferta de serviços técnicos como precificação ou planejamento tributário,

3. Conselheiro, ligado à estratégia e tomada de decisão.

Tecnologias como machine learning, deep learning e robotic process automation já estão postas e vão absorver o nível 1, terceirizador. As reais oportunidades estão nos níveis 2 e 3, porém exigem a requalificação de importantes capacidades humanas como empatia e comunicação, que ganham mais relevância a cada dia.

Uma alusão pode ser feita com os serviços bancários: muitos já não renunciam mais às facilidades trazidas por aplicativos e outras ferramentas digitais, mas quando alguém tem o seu cartão clonado, exige o contato humano para resolver o problema. Dessa forma, sempre existirá alguém que alimente o mecanismo de inteligência artificial e que conheça o negócio.

 

Enfim, o profissional de contabilidade não será extinto, mas o seu perfil será transformado. No lugar de executor, assumirá os papéis de consultor e conselheiro. Obviamente, a partir de uma mudança no seu modelo mental: de executor para consultor, conselheiro e, sobretudo, empresário.

Leia aqui o guia completo sobre Contabilidade Consultiva e como se tornar um contador consultor

 

Com esse novo mindset, os escritórios serão como empresas de tecnologia, que entregam conhecimentos contábeis e científicos integrados. Mais que isso, enxergarão genuinamente o cliente e entregarão mais valor, junto com uma melhor experiência. Com toda essa perspectiva, o mundo inteiro volta os olhos para o mercado contábil brasileiro.


Roberto Dias Duarte

Conselheiro da Omiexperience, workaholic, pai de uma garota e empreendedor entusiasmado. Um programador que adora marketing e vendas. No raro tempo livre, assiste Netflix e joga Poker.

Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas