Nota fiscal de importação: saiba os cuidados necessários.

Na hora de emitir uma nota fiscal de importação, podem surgir algumas dúvidas. Entenda tudo sobre nacionalização de produtos neste artigo.

23/Mai/2022
Empreendedorismo

A nota fiscal de importação é um documento obrigatório para cumprir o processo de nacionalização de produtos de forma regularizada. 

 Ele é indispensável para permitir que uma mercadoria comprada no exterior faça parte do estoque da sua empresa. Além disso, possuir a nota fiscal de importação evita penalidades, como pagamento de multas e, em alguns casos, apreensão e retenção de produtos. 

Diante desse contexto, preparamos um conteúdo completo para você tirar todas as suas dúvidas sobre como emitir notas fiscais de importação e o que deve constar no documento. Continue acompanhando e saiba tudo sobre o assunto!

Notas fiscais de importação: conheça as principais características

Quem é empreendedor sabe a dor de cabeça que a falta de legalização de documentos traz ao negócio. Por isso, manter uma documentação completa e em conformidade com a legislação vigente sobre a compra e venda de mercadorias é obrigatório para quem quer evitar esse tipo de problema. 

Como mencionamos anteriormente, a nota fiscal de importação é um documento obrigatório no processo de compra e venda de mercadorias importadas de outros países. Mesmo que a compra tenha sido realizada em outra moeda, os valores devem ser convertidos de acordo com a cotação da data de expedição aduaneira. 

O documento em questão tem como objetivo permitir a retirada da mercadoria do recinto aduaneiro e transportá-la até a sua loja para ficar em dia com o fisco. Deve ser emitido com base nos dados da Declaração de Importação (DI) e da Invoice (ou fatura comercial), enviados pela empresa que realizou a exportação.

A nota fiscal de importação é atualmente exigida pelos órgãos fiscais para terem conhecimento de quais itens estão entrando no país. Com a Invoice e a taxa de moeda, o responsável pode calcular a tributação incidente na operação.

Abaixo, tire algumas das dúvidas mais importantes sobre regularização de importação.

Quando emitir uma nota fiscal de importação? 

A nota fiscal de importação deve ser emitida sempre que houver desembaraço de  mercadorias de compra de fornecedores estrangeiros, ou seja, mediante a exportação. 

Para não sofrer as consequências, o ideal é emitir o documento antes de pegar o produto e levá-lo ao local de armazenagem. Em alguns casos, é necessário apresentá-lo antes da retirada.

O que pode constar na nota fiscal de importação?

 Para elaborar uma nota fiscal de importação, algumas documentações são necessárias:

  • DI (Declaração de Importação ou DUIMP);
  • Invoice;
  • Comprovante de Importação (CI);
  • Guia e comprovante de pagamento de ICMS ou exoneração;
  • Conhecimento de Embarque;
  • Packing list (ou “romaneio de carga”).

Os dados inseridos na nota fiscal de importação devem ser condizentes com as informações da DI, junto ao valor da mercadoria convertido para a moeda nacional e com a classificação citada, na fatura comercial e no conhecimento de transporte. 

Como emitir a nota fiscal de importação?

Conforme mencionamos anteriormente, a emissão da nota fiscal de importação é obrigatória e deve ser emitida em português, com o objetivo de nacionalizar o produto importado. 

O documento de nacionalização de mercadorias pode ser emitido no mesmo sistema que a empresa já utiliza para emitir nota fiscal eletrônica. Para tanto, é necessário juntar informações do DI, Invoice e tributação recolhida na importação.

Descubra, a seguir, quais são cada um dos itens e o que devem conter. 

Declaração de importação (DI)

A DI é uma documentação contendo os dados sobre a mercadoria importada e, segundo a legislação, precisa ter, obrigatoriamente, a identificação do importador. Também são solicitadas as seguintes informações: 

  • identificação;
  • classificação;
  • valor aduaneiro;
  • origem.

O DI também conta com uma numeração a ser utilizada para identificar e comunicar ao fisco a natureza da operação que está sendo realizada, o código CFOP, que significa Código Fiscal de Operações e Prestações. No caso de importações, ele começa com o dígito 3.

Confira alguns dos mais comuns: 

  • 3.101 – Compra para industrialização.
  • 3.102 – Compra para comercialização.
  • 3.126 – Compra para utilização na prestação de serviço.
  • 3.127 – Compra para utilização sob o regime de drawback.
  • 3.551 – Compra para ativo imobilizado.
  • 3.556 – Compra de material para uso ou consumo.
  • 3.949 – Outra entrada de mercadoria ou prestação de serviço não especificado.

 

Invoice (fatura comercial)

A Invoice de importação também é necessária para emitir o documento fiscal de nacionalização. Ela deve apresentar algumas informações previstas no artigo 557 da Lei 6.759/2009.

Confira os principais dados que devem constar em uma Invoice:

  • nome e endereço do exportador;
  • nome e endereço do importador;
  • especificação das mercadorias em português ou em idioma oficial do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (ou, se em outro idioma, acompanhadas de tradução);
  • marca, numeração e número de referência dos volumes;
  • quantidade e espécie dos volumes;
  • peso bruto dos volumes;
  • peso líquido;
  • país de origem (onde foi produzida ou passou pela última transformação substancial);
  • país de aquisição (local onde a mercadoria foi comprada, independentemente de sua origem);
  • país de procedência (onde a mercadoria estava quando foi adquirida);
  • preço unitário e total de cada espécie de mercadoria;
  • custo de transporte das demais despesas relativas às mercadorias;
  • condições e moeda de pagamento;
  • termo da condição de venda.

Guias de pagamentos de impostos recolhidos na importação

Para emitir a NF-e de importação, é necessário informar os impostos incidentes sobre a importação da mercadoria. Normalmente, eles dependem dos detalhes do processo da operação. Os mais comuns são: 

  • Imposto de Importação (II);
  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI);
  • Programa de Integração Social sobre a importação (PIS-Importação);
  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social sobre a importação (Cofins-Importação);
  • Taxa de Utilização do Siscomex;
  • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Em alguns casos, ainda é possível haver incidência do AFRMM (Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante). Ele é cobrado quando a importação é feita por modal marítimo. 

Para o cálculo da nota, é necessário o rateio de alguns valores, como a incidência de frete sobre cada item da mercadoria. Para isso, é recomendado que o empreendedor conte com a ajuda de um profissional. 

Quais cuidados ter para emitir a NF-e de importação?

Como em todo procedimento burocrático, é necessária a análise cautelosa da documentação para que nenhum detalhe saia fora do esperado. 

Veja alguns dos principais cuidados.

Revise os dados da DI

A DI conta com os dados referentes ao processo de nacionalização da mercadoria e garante o despacho aduaneiro por meio do registro do procedimento no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex), do governo federal.

Por isso, as informações registradas pelo fornecedor estrangeiro e pelo importador brasileiro devem ser iguais, para evitar dados conflitantes e o impedimento de homologação da nota fiscal de importação.

Verifique a natureza da operação

A natureza da operação diz respeito ao destino final da mercadoria importada para a sua  empresa. Com consciência de qual é a natureza da operação, deve ser verificado qual Cfop é correspondente. 

Por meio do Cfop, identifica-se o tipo de circulação das mercadorias (entrada e/ou saída) e a relação entre a natureza da operação (compra, venda, troca ou devolução), além do tipo de circulação das mercadorias (entre cidades, estados ou países) para a realização da cobrança de impostos.

Faça uma análise de tributação

Para não sair no prejuízo, realize uma análise minuciosa sobre a incidência de tributos sobre a importação. Fique sempre de olho nas variações na formação da base de tributos regulares, como o IPI, ICMS e PIS. As alterações costumam ser sofridas por conta da operação ou estado. 

Também é importante validar a origem do produto e a alíquota de ICMS na Câmara de Comércio Exterior (Camex).

Emissão de nota fiscal de importação: use a tecnologia para o procedimento

O processo de emissão de nota fiscal para nacionalização de uma mercadoria é simplificado pelo uso da tecnologia. Um sistema de gestão empresarial possui diversos módulos. Dentre eles, o de emissão de notas fiscais. 

A emissão de documentos por meio de sistemas de gestão facilita sua rotina com apenas alguns cliques. O sistema garante a legalidade por meio de notas fiscais e desburocratiza parte do processo. 

A funcionalidade de emissão de nota fiscal previne erros manuais, reduz custos e garante a segurança das informações emitidas. Conheça a Omie e entenda mais sobre esse recurso!

Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas