Risco de crédito: o que é, porque calcular e como avaliar

Descubra o que é e como gerenciar o risco de crédito de forma eficiente e garantir o sucesso financeiro da sua empresa.
Navegação Rápida
Navegação Rápida

Você sabe o que é risco de crédito e como ele pode afetar a sua empresa? Se você trabalha com vendas a prazo, empréstimos, financiamentos ou qualquer outra operação que envolva crédito, esse é um conceito que você precisa conhecer.

O risco de crédito é a probabilidade de um cliente ou parceiro não honrar seus compromissos financeiros com a sua empresa, gerando prejuízos e impactando o seu fluxo de caixa. 

Por isso, é importante saber como calcular e avaliar esse risco, para evitar surpresas desagradáveis e garantir a saúde financeira do seu negócio.

Neste texto, vamos explicar o que é risco de crédito, como ele funciona, por que é importante fazer a gestão desse risco, quais são os principais desafios e as ferramentas para avaliá-lo e como fazer isso de forma eficiente. 

Além disso, vamos responder algumas dúvidas frequentes sobre o assunto e dar uma dica extra para você reduzir o risco de crédito na sua empresa. 

O que é risco de crédito e como funciona?

O risco de crédito é a possibilidade de um tomador de crédito não cumprir com as suas obrigações financeiras com o credor, resultando em perdas financeiras para ele. Isso pode acontecer em diversas situações, como:

  • Quando um cliente compra um produto ou serviço da sua empresa a prazo e não paga as parcelas no vencimento.
  • Quando você empresta dinheiro para um amigo ou familiar e ele não te devolve no prazo combinado.
  • Quando você investe em um título de renda fixa emitido por uma empresa, ou pelo governo, e eles não pagam os juros ou o principal na data acordada.

Em todos esses casos, você está concedendo crédito para alguém, ou seja, confiando que essa pessoa ou entidade vai te pagar no futuro. Mas nem sempre isso acontece, e você pode ficar no prejuízo.

Por isso, é importante avaliar o risco de crédito antes de fechar qualquer negócio.

Por que implementar a gestão de risco?

A gestão de risco é o conjunto de estratégias e ações que visam identificar, mensurar, monitorar e mitigar os riscos que podem afetar o seu negócio. No caso do risco de crédito, isso significa:

  • Analisar o perfil e a capacidade de pagamento dos seus clientes e parceiros antes de conceder crédito.
  • Definir limites e condições adequados para cada operação de crédito.
  • Acompanhar o comportamento dos seus clientes e parceiros em relação aos pagamentos.
  • Cobrar os inadimplentes e renegociar as dívidas quando necessário.
  • Reservar uma parte do seu capital para cobrir eventuais perdas com crédito.

Ao fazer a gestão de risco, você pode obter diversos benefícios para a sua empresa, tais como:

Aumento da previsibilidade financeira

Ao saber qual é o risco de crédito das suas operações, você pode estimar com mais precisão os seus recebimentos futuros e planejar melhor o orçamento.

Controle da taxa de inadimplência

Ao selecionar melhor os seus clientes e parceiros, definir limites e condições adequados e cobrar os inadimplentes, você pode reduzir o número de casos de não pagamento e evitar prejuízos.

Equilíbrio do fluxo de caixa

Ao receber os pagamentos no prazo e evitar perdas com crédito, você pode manter um fluxo de caixa positivo e saudável, garantindo a sustentabilidade do seu negócio.

Ampliação da competitividade do negócio

Ao fazer a gestão de risco, você pode oferecer condições mais atrativas para os seus clientes e parceiros que apresentam menor risco de crédito, fidelizando-os e aumentando as suas vendas.

Banner CTA

Quais os desafios na análise do risco de crédito?

A análise do risco de crédito consiste em avaliar as chances de um cliente ou parceiro não pagar uma dívida ou honrar um compromisso financeiro com a sua empresa. Para isso, é preciso considerar diversos fatores, como:

  • O histórico de crédito do cliente ou parceiro, ou seja, se ele já teve ou tem dívidas, se ele paga em dia ou atrasa, se ele tem restrições no mercado, etc.
  • A renda e o patrimônio do cliente ou parceiro, ou seja, se ele tem capacidade financeira para arcar com a dívida ou o compromisso assumido.
  • As condições da operação de crédito, ou seja, o valor, o prazo, a taxa de juros, as garantias, etc.
  • O cenário econômico e setorial, ou seja, se há fatores externos que podem afetar a capacidade de pagamento do cliente ou parceiro, como crises, recessões, mudanças na legislação, etc.

A análise do risco de crédito pode ser desafiadora por vários motivos, tais como:

  • A falta de informações confiáveis e atualizadas sobre os clientes e parceiros;
  • A dificuldade de obter e interpretar dados financeiros e contábeis dos clientes e parceiros;
  • A complexidade de aplicar modelos estatísticos e matemáticos para estimar o risco de crédito;
  • A incerteza sobre os eventos futuros que podem afetar o risco de crédito.

O que são os 5 C’s do crédito?

Os 5 C’s do crédito são critérios utilizados para avaliar o risco de crédito de um cliente ou parceiro. Eles são:

  • Caráter: refere-se à reputação e à honestidade do cliente ou parceiro. É avaliado pelo histórico de crédito e pela conduta ética do mesmo.
  • Capacidade: refere-se à habilidade e à disposição do cliente ou parceiro para pagar a dívida ou o compromisso. É avaliado pela renda, pelo patrimônio e pelo fluxo de caixa do mesmo.
  • Capital: refere-se ao valor que o cliente ou parceiro possui em bens e direitos. É avaliado pelo balanço patrimonial e pela situação financeira do mesmo.
  • Colateral: refere-se ao valor que o cliente ou parceiro oferece como garantia para a operação de crédito. É avaliado pelo tipo, pela qualidade e pela liquidez da garantia oferecida.
  • Condições: refere-se às características da operação de crédito. É avaliado pelo valor, pelo prazo, pela taxa de juros, pelas garantias e pelas cláusulas contratuais da operação.

Fatores importantes ao avaliar o risco de crédito

Além dos 5 C’s do crédito, existem outros fatores que devem ser considerados na hora de avaliar o risco de crédito de um cliente ou parceiro. Alguns exemplos são:

  • O perfil do cliente ou parceiro: é importante saber se ele é pessoa física ou jurídica, qual é o seu ramo de atividade, qual é o seu porte, qual é o seu público-alvo, etc.
  • O relacionamento com o cliente ou parceiro: é importante saber há quanto tempo ele é cliente ou parceiro da sua empresa, qual é o volume e a frequência das suas compras ou negócios, qual é o grau de satisfação dele com a sua empresa, etc.
  • O cenário econômico e setorial: é importante saber como está a situação econômica e financeira do país e do setor onde o cliente ou parceiro atua, quais são as tendências e as perspectivas para o futuro, quais são os riscos e as oportunidades existentes, etc.

Ferramentas para avaliação de risco de crédito

Existem diversas ferramentas que podem auxiliar na avaliação do risco de crédito de um cliente ou parceiro. Algumas das mais usadas são:

Credit Scoring

O credit scoring é uma técnica que utiliza modelos estatísticos para atribuir uma pontuação ao cliente ou parceiro com base em uma série de variáveis relacionadas ao seu risco de crédito. Quanto maior a pontuação, menor o risco. Essa pontuação pode ser usada para definir limites e condições de crédito.

Rating de Crédito

O rating de crédito é uma classificação que indica o grau de solvência e a capacidade de pagamento do cliente ou parceiro. Essa classificação pode ser feita por agências especializadas (como Standard & Poor’s, Moody’s e Fitch) ou pela própria empresa que concede o crédito. O rating pode variar de AAA (risco muito baixo) a D (inadimplência).

Consulta a Órgãos de Proteção ao Crédito

A consulta a órgãos de proteção ao crédito é uma forma de verificar se o cliente ou parceiro possui restrições no mercado, como dívidas vencidas, protestos, ações judiciais, etc. 

Um dos principais órgãos de proteção ao crédito no Brasil é o Serasa, que oferece serviços de consulta e negociação de dívidas.

Análise de Balanços

A análise de balanços é uma ferramenta que examina as demonstrações financeiras e contábeis do cliente ou parceiro, como balanço patrimonial, demonstração do resultado do exercício, fluxo de caixa, etc. 

Essa análise permite avaliar a situação financeira e patrimonial do cliente ou parceiro, bem como sua rentabilidade, liquidez e endividamento. 

Saiba mais sobre lucro e crédito 

Como fazer a gestão do risco de crédito de forma eficiente

Para fazer a gestão do risco de crédito de forma eficiente, é preciso seguir alguns passos, tais como:

  • Definir uma política de crédito clara e objetiva, que estabeleça os critérios, os procedimentos e as responsabilidades para a concessão e o acompanhamento do crédito.
  • Implementar um sistema de informações gerenciais que permita coletar, armazenar, processar e analisar os dados relativos ao crédito.
  • Utilizar as ferramentas adequadas para avaliar o risco de crédito dos clientes e parceiros, conforme o tipo e o valor da operação.
  • Monitorar constantemente o comportamento dos clientes e parceiros em relação aos pagamentos, identificando possíveis sinais de inadimplência.
  • Adotar medidas preventivas e corretivas para reduzir o risco de crédito, como cobrança preventiva, renegociação, recuperação judicial, etc.

Além disso, é importante contar com a ajuda da tecnologia para facilitar e otimizar a gestão do risco de crédito. 

Uma das soluções mais indicadas para isso é o sistema ERP para empresas, que integra todas as áreas e processos da empresa em uma única plataforma. 

Com o sistema ERP para empresas da Omie, você pode:

  • Controlar as contas a receber e a pagar, gerenciando os recebimentos e os pagamentos com facilidade.
  • Emitir boletos bancários registrados com baixa automática e envio por e-mail.
  • Integrar com os principais bancos do mercado, facilitando as transações financeiras.
  • Gerar relatórios gerenciais completos e personalizados, que permitem acompanhar o desempenho financeiro da empresa;
  • E muito mais!

Não perca tempo e conheça agora mesmo o sistema ERP para empresas da Omie. Você vai se surpreender com os benefícios que a transformação digital pode trazer para a sua empresa.

Compartilhe este post
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Conteúdos relacionados
Saiba o que é e entenda como funciona o Prazo Médio de Recebimento (PMR) e como calcular o da sua
como oferecer boleto parcelado
Entender como oferecer boleto parcelado traz conveniência tanto para os clientes quanto para os comerciantes, que expandem suas vendas e
boleto com baixa operacional
Entenda o que é e como funciona um boleto com baixa operacional e sua importância para a gestão financeira das