Conheça os 7 principais tipos de escala de trabalho

Veja neste artigo quais são os principais tipos de escala de trabalho e como cada um funciona. Entenda qual a melhor opção para sua empresa.

11/Ago/2021
Gestão

Existem diversos tipos de escala de trabalho que podem ser adotados pelas empresas e estão dentro das regulamentações da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas). Cada modelo serve para atender às necessidades da vaga e das atividades da companhia. 


Assim, entender como cada tipo de escala funciona é fundamental para atender às necessidades da empresa, e, ao mesmo tempo, respeitar os direitos dos trabalhadores. Então, neste artigo, falaremos mais sobre o que é escala de trabalho e como cada modelo funciona.


O que é escala de trabalho?


A escala de trabalho pode ser definida como a distribuição das horas trabalhadas pelos dias da semana, assim como a determinação das folgas dos profissionais. Segundo a CLT trabalhista, o colaborador pode trabalhar por, no máximo, 44 horas semanais, sem que a empresa precise pagar horas extras.


Porém, a companhia pode definir a escala que mais faça sentido para a vaga e distribuir essa quantidade de horas ao longo dos dias. Daí surgem os diferentes tipos de escalas de trabalho. Veja a seguir os principais modelos de escalas.


Principais tipos de escala de trabalho adotados nas empresas


Segundo as normas da CLT, uma pessoa pode trabalhar, no máximo, 8 horas ao dia e 44 horas por semana. Confira algumas possibilidades de escala dentro dessa carga horária semanal:


1. Modelo 5x1


No modelo de escala 5x1, o profissional terá direito à folga a cada 5 dias trabalhados — geralmente, com 7 horas de trabalho por dia. Segundo as leis trabalhistas, ao optar por essa escala, a empresa precisa se certificar de dar ao menos uma folga de domingo ao mês.


2. Modelo 5x2


A escala de trabalho 5x2 é uma das mais comuns. Nela, o colaborador trabalha de segunda a sexta e tem folga de sábado e domingo. Nessa jornada, a diária geralmente dura 8 horas. Entretanto, as folgas não precisam, necessariamente, ser em dias seguidos.


3. Modelo 4x2


Já nas vagas que exigem que a diária seja mais longa, o modelo 4x2 pode ser adotado. Deste modo, o profissional trabalha 4 dias e sua jornada de trabalho se estende. Contudo, ele ganha horas extras e, depois, folga 2 dias. 


4. Modelo 6x1


As vagas 6x1 correspondem a seis dias trabalhados e uma folga, com diárias mais curtas. Geralmente, é uma opção de escala de revezamento, quando as atividades da empresa não podem parar e as folgas da equipe precisam ser alternadas. Além disso, quando o colaborador trabalha no domingo e feriados, a remuneração é dobrada.

5. Modelo 12x36


Nesse formato, o profissional trabalha por 12 horas e folga 36 horas. Trata-se de uma escala também utilizada em atividades que não podem ser interrompidas, como nas indústrias. Essa opção normalmente é acordada entre o colaborador e a empresa, não tendo respaldo da lei trabalhista.


6. Modelo 18x36


Assim como na jornada anterior, no modelo 18x36, o colaborador trabalha por 18 horas e descansa por 36 horas. Também se trata de uma opção adotada por empresas que precisam ter longos turnos de trabalho.


7. Modelo 24x48


Alguns cargos, como os ocupados por policiais, exigem esse tipo de escala, em que o profissional trabalha por 24 horas e descansa 48 horas. Aqui, assim como nos demais modelos, é imprescindível que haja um rigoroso controle de ponto para se certificar de que o trabalhador está seguindo sua jornada adequadamente.

Mulher assistindo aula da Omie Academy no computador.


O que mudou na escala de trabalho após a reforma trabalhista?


A  reforma trabalhista, que foi sancionada em julho de 2017, passou a valer em novembro do mesmo ano e alterou uma série de regras trabalhistas, entre elas, algumas que englobam a jornada 12 por 36. Ou seja, os trabalhadores fazem 12 horas de trabalho por dia, com 36 horas de descanso.


Antes da reforma trabalhista, esse tipo de jornada não era prevista na CLT e só podia ser adotada mediante aos acordos coletivos ou em convenções coletivas. Porém, agora de acordo com o artigo 59-A, essa jornada pode ser realizada a partir de um acordo individual escrito entre o colaborador e a empresa. 

Como ter um controle sobre a escala de trabalho?


Independentemente de qual escala de trabalho for escolhida, é preciso que a empresa faça um monitoramento para garantir que seus colaboradores a cumpram, seja no presencial ou durante o home office. Por este motivo, é preciso que haja alguma forma de registrar a entrada e a saída dos profissionais. Conheça algumas opções:

Controle de ponto

Esse é um dos principais controles que as empresas utilizam para manter a organização e saber se a escala de trabalho está sendo cumprida. Quando realizado, esse registro é uma das formas mais seguras e transparentes para a sua empresa e o seu colaborador. 


E se a sua empresa tiver algum problema trabalhista posteriormente, essa é uma forma de usar os registros como prova. E quando existe algum problema mais grave ou de última hora como revezamento, cobertura, horas extras ou falta, é fácil acionar outro colaborador e atuar com agilidade. 


Além disso, para empresas que tenham mais de 20 colaboradores o ponto se torna algo obrigatório, e com isso quem não segue essa estrutura está fora dos padrões estabelecidos pela lei.

Planilha de escala

E se você quer melhorar mais o controle da escala e tem menos de 20 funcionários, o uso da planilha é uma ótima opção. Isso porque, com ela você consegue ter mais segurança do que está anotando e evitar perder os papéis ou a caderneta. Existem vários modelos prontos na internet, basta escolher qual se encaixa melhor na sua necessidade. 

Sistema de gestão

E para fazer a gestão online da sua empresa, nada melhor do que contar com um sistema inteligente e integrado que vai te ajudar a ter uma organização muito maior. Principalmente se você costuma gastar muito tempo na gestão de escalas e cálculo das horas trabalhadas. 


Tecnologias, como o sistema de gestão, permitem que haja uma integração entre o registro de ponto dos colaboradores e a folha de pagamento. Esse recurso facilita a elaboração da folha, garantindo mais eficiência para o setor. Por isso, é fundamental ter um em seu empreendimento! 







Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas