Margem de contribuição: saiba o que é e como calcular a sua

Você acompanha a margem de contribuição da sua empresa? Sabe se a receita está sendo suficiente para cobrir as despesas e gerar lucro para a operação?

05/Jan/2021
Finanças

Acompanhar a margem de contribuição da sua empresa é muito importante para medir se a receita da companhia é suficiente para cobrir suas despesas e, ainda, gerar lucro. 


Quando não há uma medição da taxa de contribuição, parece que mesmo vendendo os produtos ou prestando os serviços, nunca é o bastante para lucrar. Isso pode acarretar problemas financeiros para o negócio, já que não há um controle sobre a sua receita e seus custos.


Sendo assim, calcular essa margem é vital para que seja possível manter uma boa gestão financeira. Por isso, acompanhe neste artigo tudo sobre o que é margem de contribuição e como fazer esse cálculo.

O que é margem de contribuição e como calcular?

Ao entender o conceito e como calcular a margem de contribuição, a empresa é capaz de determinar a porcentagem dos lucros da venda de cada produto que serão destinados para cobrir os custos e as despesas, e assim, garantir melhor lucratividade para a operação. 


Ou seja, com este cálculo, é possível identificar a quantidade mínima de vendas necessária para cobrir esses gastos e, ao mesmo tempo, obter um lucro saudável. Conhecer a margem de contribuição também é importante para fazer a precificação dos produtos e serviços segundo a sua meta de lucro.


Para fazer o cálculo da margem de contribuição, basta subtrair o valor das vendas pelo valor das despesas e dos custos variáveis. Veja a seguir:


Margem de Contribuição = Receita – (Custos Variáveis + Despesas Variáveis)


Entretanto, utilizar a fórmula margem de contribuição para fazer o cálculo só dará certo se você souber a diferença entre os custos e as despesas variáveis.


Leia mais em: Apuração dos custos e despesas de um produto: essencial para sua empresa



Basicamente, os custos são representados pelos gastos necessários para a produção da mercadoria ou gastos diretos com os serviços prestados. Já as despesas são gastos indiretos com a atividade principal da companhia, como gastos com água e luz, por exemplo. 


Além disso, quando falamos de custos e despesas variáveis, nos referimos aos gastos que variam de valor todos os meses. Os custos e despesas fixos se mantêm sempre com o mesmo valor, como é o caso do custo com aluguel, por exemplo. 

Diferença entre margem unitária e total

Para entender ainda mais a fundo o assunto, é preciso saber a diferença entre a margem de contribuição unitária e a total. A unitária deve ser calculada produto por produto, ou seja, por cada unidade vendida. 


Já a margem de contribuição total é a média ponderada do faturamento da empresa. Portanto, em uma empresa onde se comercializam dois tipos de produtos com margens unitárias de 10% e 50% e no fim do mês se fatura R$1.000,00, o item com margem de 10% representa R$700,00 e o de 50% representa R$300,00.


Veja o cálculo: 


MT = (700*0.1+300*0.50) / 1000 = 0,22 ou 22%


Ou seja, a empresa obteve R$220,00 para cobrir suas despesas e custos.

Margem de contribuição e ponto de equilíbrio

O ponto de equilíbrio pode ser explicado como o ponto em que as despesas, os custos e as receitas totais estão em equilíbrio. Isso não significa ter um limite para os lucros, mas gerar receita o suficiente para cobrir as despesas e os custos sem ficar no negativo, além de obter lucro.


Por isso, margem de contribuição e ponto de equilíbrio são dois conceitos que andam juntos. A margem é a ferramenta utilizada para se alcançar o ponto de equilíbrio das finanças da empresa.

Cálculo do ponto de equilíbrio

No cálculo do ponto de equilíbrio, diferentemente do cálculo do equilíbrio contábil, não é necessário incluir nos custos e despesas fixas as depreciações. Veja a seguir a fórmula utilizada para fazer esse cálculo:


Custos e despesas fixas / Margem de contribuição = Ponto de equilíbrio

Como a tecnologia pode ajudar?

Como vimos, calcular a margem de contribuição é de extrema importância para que a empresa seja capaz de entender quanto precisa lucrar para conseguir cobrir suas despesas e custos, e ainda obter um lucro favorável. 


Tudo isso contribui para que a companhia tenha uma boa saúde financeira. E para ajudar na gestão financeira e contábil, a tecnologia de um sistema ERP pode ser essencial para o sucesso dos negócios. 


Ao automatizar processos e reduzir a burocracia, sua empresa opera com mais produtividade e uma melhor administração das finanças. Confira tudo sobre o tema em um ebook exclusivo e saiba mais!




Receba as novidades

Assine nossa newsletter

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas

Posts Relacionados

Artigos por autor

Receba as novidades

Receba as novidades

Obrigado por se inscrever!

Oops! Verifique novamente se informações estão corretas