O que é PME? Entenda tudo sobre, conceito e tipos!

Saiba tudo sobre o universo das Pequenas e Médias Empresas (PMEs), seu conceito e os diferentes tipos que compõem esse segmento da economia
Navegação Rápida
Navegação Rápida

No dinâmico cenário econômico do Brasil, as Pequenas e Médias Empresas (PMEs) são mais do que apenas entidades comerciais menores — elas são catalisadoras de inovação, emprego e crescimento.

Descubra como essas empresas, muitas vezes subestimadas, estão moldando o futuro dos negócios no país — confira sua definição, como são classificadas e o papel vital que desempenham na economia brasileira. 

O que é uma PME?

Pequenas e Médias Empresas (PMEs) são mais do que simplesmente negócios de menor escala; elas são fundamentais para a dinâmica econômica de qualquer país. 

Uma PME é caracterizada por critérios como número de funcionários, faturamento anual e escala de operações, mas sua definição pode variar conforme as regulamentações específicas de cada país ou região. 

No Brasil, por exemplo, o Sebrae define PMEs com base em seu faturamento bruto anual, diferenciando-as de microempresas e empresas de grande porte.

Além de sua definição técnica, o papel das PMEs na economia é profundamente significativo. De acordo com dados do Sebrae, as PMEs representam cerca de 27% do PIB brasileiro e são responsáveis por mais de 50% dos empregos formais no país. 

Esta contribuição é vital para o desenvolvimento econômico, especialmente em termos de geração de emprego e inovação.

Conceito e Características

As Pequenas e Médias Empresas (PMEs) se destacam no mercado por sua flexibilidade e capacidade de inovação. Essa agilidade permite que se adaptem rapidamente às mudanças de mercado e às necessidades dos clientes. 

Diferentemente de grandes empresas, as PMEs muitas vezes têm uma gestão mais pessoal e envolvida, comandadas por indivíduos ou famílias, o que pode resultar em um atendimento ao cliente mais próximo e personalizado.

Em termos de inovação, as PMEs são fundamentais. Elas frequentemente exploram nichos de mercado e inovações que grandes empresas podem negligenciar, contribuindo para a diversificação da economia. 

Um aspecto-chave das PMEs é sua contribuição significativa para a geração de empregos, sendo uma fonte vital de trabalho e inclusão social.

Nesse sentido, as PMEs são cruciais para a economia não só pela sua capacidade de se adaptar e inovar, mas também por sua contribuição na geração de empregos e desenvolvimento de novos mercados. 

Assim, compreender essas características é vital para reconhecer o papel importante das PMEs no cenário econômico. 

Critérios de Classificação de PMEs no Brasil

No Brasil, a classificação das Pequenas e Médias Empresas (PMEs) se baseia em critérios específicos que incluem o faturamento bruto anual e o número de funcionários. 

Esses critérios são definidos e regulamentados por órgãos como o SEBRAE e a Receita Federal e podem variar ligeiramente dependendo do setor de atuação da empresa.

Critérios Pequenas Empresas Médias Empresas
Faturamento Bruto Anual Limite variável; ajustado periodicamente. Limite superior em comparação com pequenas empresas. Ajustado regularmente.
Número de Funcionários Varia de acordo com setor e necessidades. Geralmente, um número maior em comparação com pequenas empresas, variando por setor.

Esses critérios são importantes, pois determinam o enquadramento tributário da empresa e sua elegibilidade para programas de apoio governamentais. 

Por exemplo, empresas classificadas como PMEs podem se qualificar para o regime tributário do Simples Nacional, que simplifica a cobrança de impostos e pode oferecer alíquotas mais favoráveis.

Além disso, o enquadramento como PME pode abrir portas para linhas de crédito especiais, programas de capacitação e apoio em áreas como exportação, inovação e expansão de mercado. 

Compreender e atender a esses critérios é, portanto, crucial para que as empresas possam se beneficiar plenamente das políticas de apoio disponíveis.

Tipos de PMEs

As Pequenas e Médias Empresas (PMEs) no Brasil são categorizadas de diversas maneiras, com base em critérios como faturamento bruto anual e número de funcionários. 

Essas classificações são importantes para definir aspectos tributários e de apoio governamental. Veja os principais tipos de PMEs, conforme as diretrizes estabelecidas pela Lei Geral para Micro e Pequenas Empresas e por outros órgãos como o BNDES e o IBGE:

Tipos de PMEs: 

  • Microempreendedor Individual (MEI);
  • Microempresa (ME);
  • Empresas de Pequeno Porte (EPP);
  • Empresa de Médio Porte;
  • Grandes Empresas.

Microempreendedor Individual (MEI):

  • Apenas um funcionário.
  • Receita bruta anual de até R$81 mil.

Microempresa (ME):

  • Indústria: de 2 a 19 funcionários.
  • Comércio e setor de serviços: de 2 a 9 funcionários.
  • Receita bruta anual de até R$360 mil.

Empresas de Pequeno Porte (EPP):

  • Indústria: de 20 a 99 funcionários.
  • Comércio e setor de serviços: de 10 a 49 funcionários.
  • Receita bruta anual entre R$360 mil e R$4,8 milhões.

Empresas de Médio Porte:

  • Indústria: de 100 a 499 funcionários.
  • Comércio e setor de serviços: de 50 a 99 funcionários.
  • Receita bruta anual entre R$4,8 milhões e R$300 milhões.

Grandes Empresas:

  • Indústria: 500 funcionários ou mais.
  • Comércio e setor de serviços: 100 funcionários ou mais.
  • Receita bruta acima de R$300 milhões.

Essas categorizações são essenciais para o enquadramento tributário das empresas, influenciando a escolha entre Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. 

Conhecer o porte da empresa é crucial para alinhar estratégias de negócios, buscar financiamentos adequados e aproveitar oportunidades de mercado.

As PMEs são uma parte vital da economia brasileira, representando a maioria das empresas e sendo responsáveis por uma significativa parcela dos empregos formais. 

Elas são fundamentais para a dinâmica econômica do país, oferecendo inúmeras oportunidades de crescimento e inovação.

Enquadramento Tributário para PMEs

O enquadramento tributário é crucial para as Pequenas e Médias Empresas (PMEs) no Brasil, influenciando diretamente sua saúde financeira e estratégias de crescimento. As PMEs podem optar entre diferentes regimes tributários, cada um com suas especificidades.

  1. Simples Nacional: 

    Este regime simplificado é destinado principalmente a micro e pequenas empresas. Oferece uma carga tributária reduzida e um processo de recolhimento de impostos menos complexo. É ideal para negócios com receita bruta anual dentro dos limites estabelecidos pela legislação;

  2. Lucro Presumido: 

    Regime baseado em uma presunção de lucratividade da empresa. É uma opção para empresas que superam o limite de receita do Simples Nacional, mas ainda não atingem um grande volume de faturamento. Oferece maior simplicidade na apuração e pagamento de impostos comparado ao Lucro Real;

  3. Lucro Real: 

    Mais adequado para empresas com faturamento elevado, este regime tributa os lucros efetivamente realizados. Embora mais complexo em termos de contabilidade e apuração de impostos, pode ser vantajoso para empresas com margens de lucro menores ou prejuízos operacionais, já que os impostos são calculados sobre o lucro líquido real.

    A escolha do regime tributário deve levar em consideração diversos fatores, incluindo o porte da empresa, o setor de atuação, a margem de lucro, e as projeções financeiras futuras. 

    Uma escolha acertada pode resultar em economia significativa de impostos e facilitar a gestão financeira da empresa.

A Importância Econômica das PMEs no Brasil

As Pequenas e Médias Empresas (PMEs) são vitais para a economia brasileira, desempenhando um papel fundamental não apenas na geração de empregos, mas também na contribuição para o Produto Interno Bruto (PIB) do país. 

Geração de empregos 

Representando a grande maioria das empresas brasileiras, as PMEs são responsáveis por mais de 50% dos empregos formais no setor privado, de acordo com dados do SEBRAE.

Inovação

Além de serem grandes empregadoras, as PMEs também são essenciais para a inovação e diversificação econômica. 

Elas frequentemente atuam em nichos de mercado e trazem soluções criativas e adaptativas, contribuindo significativamente para o desenvolvimento de novos produtos e serviços. 

Essa capacidade de inovação é crucial para o fortalecimento da competitividade da economia brasileira no cenário global.

Desenvolvimento regional

Outro aspecto relevante das PMEs é a sua capacidade de fomentar o desenvolvimento regional. Elas estão frequentemente espalhadas por diversas regiões do país, incluindo áreas menos desenvolvidas, onde desempenham um papel chave na criação de oportunidades de emprego e na promoção do crescimento econômico local.

Adicionalmente, as PMEs são importantes agentes de inclusão social e econômica. Elas oferecem oportunidades para empreendedores de diversos backgrounds, incluindo mulheres, jovens e minorias, contribuindo para uma sociedade mais diversificada e equitativa.

Prepare sua PME para a transformação digital

A adoção de tecnologia e a transformação digital estão se tornando cada vez mais fundamentais para as PMEs no Brasil. Um exemplo é a possibilidade de ampliar sua organização financeira por meio de uma conta digital PJ, oferecer diversas opções de pagamento e poder atuar em diferentes meios – digitais e físicos. 

Com as ferramentas e conhecimentos certos, a PME melhora a eficiência operacional e também abre novas possibilidades de mercado, permitindo um cenário de competitividade até com empresas maiores.

Descubra como a tecnologia e a inovação podem transformar sua PME. A Omie possui um sistema ERP intuitivo e completo para acelerar seu crescimento e desburocratizar a rotina. Descubra nossa solução para empreendedores hoje! 

Banner CTA

Compartilhe este post
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Conteúdos relacionados
PLR: participação de lucros
A PLR é uma vantagem e um plano para elevar o envolvimento do time. Aprenda como adotar em sua empresa!
oratória: mulher falando em público
Descubra técnicas de oratória eficazes para aprimorar suas habilidades de comunicação e conquiste seu público com nossas dicas
EFD-Reinf
EFD-Reinf: confira o que é, quais são as mudanças para 2024 e como ficar dentro da conformidade.